Depressão tem cura? Saiba quais são os primeiros sinais e os principais sintomas dessa doença

Mulher com depressão

Confira os principais sintomas da depressão.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão (CID 10 – F33), acomete mais de 300 milhões de pessoas de todas as faixas etárias no mundo todo.

Trata-se de uma doença psiquiátrica crônica, cujos principais sintomas são: profunda tristeza, desânimo, apatia e variações de humor. Algumas vezes, é confundida com ansiedade e pode levar o indivíduo afetado a ter pensamentos sobre atentar contra a própria vida.

Estima-se que no Brasil, 5,8% da população seja afetada pela depressão. Devido à sua gravidade, é fundamental que a doença seja diagnosticada e acompanhada por um profissional da área de saúde mental. 

No artigo a seguir iremos explicar mais sobre esse transtorno, quais são os primeiros sinais e os seus principais sintomas. Entender a depressão é o primeiro passo para a realização de um tratamento eficiente. 

O que é depressão?

Depressão é um transtorno mental decorrente, entre outros fatores, de uma instabilidade química no organismo. A doença está associada à falta ou desequilíbrio de neurotransmissores no corpo, como a serotonina e noradrenalina. Essas substâncias são reguladas pela genética do indivíduo e pelo ambiente em que ele vive. 

No tocante à genética, já se sabe que algumas pessoas apresentam maior predisposição do que outras. Esses indivíduos têm mais chances de apresentar o desequilíbrio dos hormônios responsáveis por regular o humor e a sensação de bem-estar.

As experiências vividas pela pessoa influenciam na produção e equilíbrio das substâncias mencionadas. Emoções como estresse e pressão tornam-se fator de risco para o desenvolvimento de depressão. 

Depressão não é o mesmo que tristeza

O primeiro ponto importante de se saber sobre o assunto é que tristeza e depressão não são a mesma coisa. A tristeza faz parte da vida de todo mundo e pode ser originada por algum acontecimento cotidiano. O indivíduo realmente sofre até que consiga assimilar aquilo que está acontecendo. Normalmente, esse sentimento não se estende por mais do que vinte dias. 

A depressão, por sua vez, é uma doença que gera no indivíduo a sensação frequente de tristeza profunda. Quando não tratada, pode se agravar, comprometendo a capacidade da pessoa de trabalhar e realizar atividades simples do cotidiano.

Estágios da depressão

A depressão possui três estágios, sendo eles: leve (CID 10 F33.0), moderada (CID 10 – F33.1) e grave (CID F33.2).

O nível leve da depressão normalmente pode ser controlado sem o uso de medicamentos. Sessões de psicoterapia e a mudança de estilo de vida são as bases desse tratamento.

Nos níveis moderado e grave, normalmente, são empregados medicamentos para amenizar os sintomas da doença. Também é necessário fazer terapia e adotar medidas de melhoria da qualidade de vida. O acompanhamento psicológico e psiquiátrico é fundamental para tratar a depressão.

Depressão e ansiedade: qual é a diferença?

No início do artigo mencionamos que a depressão pode ser confundida com ansiedade. Por isso, compreender a diferença entre esses dois transtornos é muito importante. A ansiedade se caracteriza por gerar uma sensação desagradável de urgência, inquietação e pressa. 

Passa a ser considerado como um transtorno quando essa sensação acontece em momentos em que não se justifica ou quando ocorre com grande intensidade e/ou durabilidade. A ansiedade enquanto distúrbio acaba impedindo o indivíduo de realizar as atividades comuns do dia a dia. 

A depressão, por sua vez, é uma doença que compromete o organismo como um todo. A doença compromete o físico e o emocional. A percepção da realidade é alterada, modificando, assim, as emoções, o sono, a disposição e a forma como a pessoa vê a si mesma. Há casos em que a depressão e a ansiedade se desenvolvem juntas, levando a um quadro ainda mais grave. 

Quais são os primeiros sinais da depressão?

Antes de qualquer coisa, é fundamental esclarecer que somente um especialista da área de saúde mental pode diagnosticar a depressão. Contudo, há alguns sinais que podem servir de alerta para que o indivíduo ou seus familiares resolvam buscar ajuda. Confira quais são esses sinais abaixo:

– Ter um sentimento profundo de tristeza duradouro (mais de vinte dias) e sem um motivo aparente; 

– Desinteresse por atividades que antes eram consideradas prazerosas;

– Desmotivação para realizar as atividades rotineiras; 

– Incapacidade de tomar atitudes simples como levantar da cama. 

Principais sintomas da depressão

O indivíduo que tem depressão pode apresentar dois ou mais sintomas listados abaixo. Ao identificar esses sintomas é fundamental procurar ajuda médica, pois trata-se de uma doença que demanda tratamento. Somente um especialista poderá fazer o diagnóstico e recomendar as ações adequadas para tratar o problema. 

É essencial não ter medo ou vergonha de falar sobre como se sente ou o que está vivenciando. A função desses profissionais é ouvir e auxiliar os pacientes da melhor forma. Com o tratamento correto é possível recuperar a qualidade de vida e a sensação de bem-estar.

Sintomas emocionais da depressão

Apatia;

– Desenvolvimento de medos que antes não se tinha; 

– Desmotivação até mesmo pelo que antes era visto como prazeroso;

– Pessimismo elevado;

– Dificuldade de se concentrar; 

Insegurança;

– Indecisão; 

– Insônia;

– Aumento ou perda de apetite; 

– Sensação de vazio;

– Maior irritabilidade;

– Esquecimentos;

– Lentidão de raciocínio;

– Angústia;

– Ansiedade. 

Sintomas físicos da depressão

A depressão também pode se manifestar através de sintomas físicos, conheça os principais deles abaixo: 

– Problemas digestivos;

– Diarreias;

– Constipação;

– Flatulência;

– Azia;

– Ombros e nuca tensos;

– Dores pelo corpo;

– Dores de cabeça;

– Imunidade baixa;

– Sensação de pressão no peito. 

Quem pode ter depressão?

Todos os tipos de pessoas podem ser afetados pela depressão. Relembramos o dado da OMS que mais de 300 milhões de pessoas sofrem da doença em todo o mundo. O problema pode se manifestar em diferentes graus de intensidade e períodos de duração. Esse transtorno mental afeta gravemente a saúde e a qualidade de vida do indivíduo.

Considerada grave, a depressão é uma doença bastante presente na população brasileira. O fim dos 30 anos é o período em que a doença surge mais comumente, mas não é uma regra. Ela pode surgir em qualquer idade e alguns estudos demonstram a predominância do quadro em até 20% das mulheres e 12% dos homens. 

Isso significa que a doença pode se manifestar em pessoas de qualquer idade e de qualquer gênero. É fundamental estar alerta tanto em relação a si mesmo quanto em relação às pessoas que te cercam. Ao identificar possíveis sinais do problema é essencial buscar ajuda. 

O que a depressão provoca? 

Diferentemente do que muitos pensam, os fatores sociais e psicológicos geralmente são consequências e não causas do quadro depressivo. Em pessoas que têm predisposição genética, o estresse pode precipitar a doença.

Estima-se que a depressão se manifeste em 19% de uma população. Ou seja, cerca de uma em cada vinte pessoas terá o problema em algum momento da vida. 

Há fatores que podem funcionar como facilitadores do desenvolvimento da doença. A seguir listamos alguns dos estímulos mais comuns: 

Abusos

Uma pessoa que sofre algum tipo de abuso (físico, emocional ou sexual) se torna mais vulnerável psicologicamente. Logo, tem mais chances de desenvolver quadros depressivos. 

Uso de medicações específicas

O risco de desenvolvimento de depressão pode aumentar quando se faz uso de alguns medicamentos específicos. A Isotretinoína (utilizada para o tratamento de acne), corticoides e o antiviral Interferon Alfa são alguns exemplos. Converse sempre com seu médico a respeito de medicamentos que for usar. 

Conflitos

Indivíduos que já apresentam predisposição genética para a doença podem ter o quadro desencadeado por conflitos pessoais. Ter problemas com familiares e amigos pode ser o ponto inicial. 

Luto

A tristeza de perder alguém muito amado é um fator de risco para o desenvolvimento de depressão. 

Genética

Ter casos de depressão na família pode significar mais chances de desenvolver a doença. Porém, é importante citar que a depressão é uma doença bastante complexa e que já se sabe que há inúmeros genes envolvidos em seu surgimento. Logo, não há somente um gene que leva ao quadro clínico. 

Eventos grandiosos

Passar por situações de perda e grandes mudanças, como ficar desempregado, se aposentar ou divorciar, por exemplo, pode desencadear a depressão. É importante mencionar, contudo, que até mesmo eventos positivos podem desencadear um quadro depressivo. Formar-se na universidade, iniciar em um novo trabalho ou se casar são situações que podem dar origem à depressão.

Cabe reiterar que a doença não é somente uma resposta direta e simples diante de momentos estressantes. Trata-se de algo persistente e que dificulta prosseguir a vida normal. 

Problemas pessoais

Sentir-se sozinho, ser excluído da família e/ou de grupos sociais e ter problemas de autoestima pode contribuir para o desenvolvimento da depressão. 

Doenças graves

A depressão pode se desenvolver paralelamente a uma doença grave, como o câncer, por exemplo. Inclusive, pode ser estimulada exatamente por se estar com uma doença séria. 

Abuso de substâncias

Em torno de 30% das pessoas que sofrem com vícios, em substâncias como álcool, cigarro, drogas e remédios, têm depressão clínica ou profunda. 

A depressão tem cura?

Muito se ouve esse questionamento e é importante fazer alguns esclarecimentos. O episódio depressivo pode ter cura. Nesse caso, o indivíduo apresenta a remissão dos sintomas da depressão sem voltar a vivenciá-los. Atualmente, se fala muito a respeito da recuperação funcional, além do alívio dos sintomas, se tem o retorno pleno às condições de antes do episódio. 

Contudo, devemos ressaltar que uma pessoa que teve um episódio depressivo tem mais chances de apresentar os sintomas novamente. Basicamente, o que estamos dizendo é que o tratamento adequado pode fazer com que os sintomas sumam completamente. Porém, é essencial manter o acompanhamento médico e psicológico para evitar recaídas. 

O tratamento e a manutenção do mesmo tem grande influência nessa sensação de bem-estar prolongada. O tempo que leva para observar os resultados varia de pessoa para pessoa, sendo muito importante ter calma e tranquilidade.

A função do tratamento é reduzir a presença e a influência dos sentimentos e pensamentos negativos. A vida vai se tornando mais leve e o paciente passa a experimentar uma sensação muito próxima de cura da depressão. 

Depressão: como tratar o problema?

Anteriormente explicamos que pessoas que têm episódios depressivos podem se recuperar completamente. No entanto, é importante que se siga o tratamento adequado para alcançar esse resultado. O tratamento da depressão tem como objetivo realizar o controle de neurotransmissores para melhorar a qualidade de vida do indivíduo. 

Para ter resultados palpáveis é necessário buscar ajuda especializada junto a profissionais da área de saúde mental. Somente um especialista saberá identificar, diagnosticar e prescrever o tratamento adequado para o quadro em questão. Nos casos mais leves o tratamento pode ser realizado somente com psicoterapia.

Já nos casos moderados a graves, costuma-se associar a psicoterapia ao uso de medicamentos prescritos por um psiquiatra. Ressaltamos que cada caso é um caso e deve ser avaliado por um especialista para que se chegue à resposta do melhor tratamento. O médico avaliará toda a situação para entender qual é o melhor medicamento para o paciente que está atendendo.

Essa avaliação leva em consideração o histórico clínico (pessoal e familiar) assim como a resposta do paciente a diferentes antidepressivos. O tratamento antidepressivo pode levar à remissão total dos sintomas, ou seja, a sensação de cura. Contudo, ainda que o paciente se sinta totalmente bem, deve manter o acompanhamento pelo tempo determinado pelo médico. Jamais se deve interromper o tratamento da depressão por conta própria.

Tratamentos associados

Muitos pacientes recebem a recomendação de adotar medidas associadas ao tratamento medicamentoso e psicoterápico. A mudança de estilo de vida é uma das principais recomendações.

Praticar atividades físicas e ter uma alimentação balanceada contribui para potencializar a sensação de bem-estar. Além disso, essas medidas ajudam a melhorar a qualidade do sono, que também é um fator relevante no tratamento da depressão.

Porém, tenha em mente que nenhuma atividade complementar ou qualquer tipo de medicina alternativa substitui o tratamento profissional. Cuidar bem de si mesmo é uma forma de ajudar o acompanhamento psicológico e psiquiátrico a ser mais eficiente. O mais importante é estar aberto para realizar o tratamento com foco na sua melhora. Acredite, é possível recuperar a qualidade de vida.

Depressão é uma doença séria que precisa de acompanhamento profissional.

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63

This will close in 0 seconds