Boas práticas de Gestão Financeira para um pequeno negócio

A gestão financeira consiste em dirigir, manter o controle sobre os recursos de uma organização a fim de produzir os melhores resultados.

Uma gestão financeira assertiva contribui para que seu negócio se mantenha em pleno crescimento e com saúde financeira. Saber como gerir o dia a dia da sua empresa é crucial para não se endividar e poder investir em diferenciais que contribuam para a fidelização dos seus clientes.

Muitos iniciam seus empreendimentos movidos pela paixão em relação ao produto ou serviço oferecido e acabam se perdendo ao longo do caminho por conta das questões mais burocráticas, que são essenciais. Quer saber o que fazer para adotar boas práticas de gestão financeira no seu pequeno negócio? É só continuar a leitura!

A importância da Gestão Financeira para o sucesso de um negócio

No âmbito empresarial, quando se diz que uma empresa está saudável, significa que ela está operando financeiramente bem, ou seja, os lucros estão cobrindo os custos e há uma “sobra”, que pode ser usada para casos de emergência e, também, para a implementação de melhorias.

O índice de pequenas empresas que fecham no Brasil é alto e isso se deve, em grande parte, à má gestão financeira. Muitas pessoas, por falta de informação, não se atentam às finanças do empreendimento, usam dinheiro do caixa sem qualquer controle, misturam custos pessoais com empresariais, o que acaba se tornando insustentável com o passar do tempo.

Mais do que amor pelo ofício em si, que pode ser um salão de beleza, uma padaria, uma loja ou qualquer outro tipo de negócio, é preciso ter atenção às questões administrativas. Assim, unindo a expertise em relação aos produtos ou serviços oferecidos e o conhecimento de gestão, é possível manter a empresa funcionando de forma equilibrada e alcançar o sucesso, conquistando cada vez mais clientes.

10 Dicas de Gestão Financeira para pequenos negócios

Não é porque você tem um pequeno negócio que não deve se preocupar com questões administrativas, como a gestão financeira. Para te ajudar, preparamos algumas dicas simples, mas capazes de trazer grandes benefícios, confira.

1 – Otimize o controle financeiro

A tecnologia é uma grande aliada da gestão financeira de empreendimentos de todos os portes, pois permite organizar as informações de maneira estratégica. Os registros são feitos com mais facilidade e a taxa de erros é reduzida a praticamente zero. O ideal é adotar o uso de um software para o seu negócio e, dependendo do segmento, permitir que os colaboradores registrem todas as vendas efetuadas.

A inserção desses dados em um sistema informatizado torna mais simples os cálculos de entradas e saídas no final de cada mês. Além disso, são informações que podem ser consultadas a qualquer momento com o auxílio de filtros de busca inteligentes. Depois de alguns meses, é possível fazer uma análise do histórico da empresa, entendendo em quais meses ela é mais lucrativa e em quais meses tem menor movimento.

2 – Treine os colaboradores

Para que um sistema informatizado de controle das finanças funcione corretamente é necessário treinar os funcionários para utilizá-lo corretamente. Os colaboradores precisam entender como utilizar a interface do software ou aplicativo, assim como compreender a relevância da otimização para a consolidação da empresa em médio e longo prazo.

3 – Saiba os valores dos custos fixos

Embora pareça algo básico, é grande o número de empreendedores que desconhecem os valores dos custos fixos do seu negócio. Nessa categoria, entram os custos que continuarão existindo independente da lucratividade da empresa, ou seja, aluguel do espaço, luz, água, internet, impostos, entre outros. Para entender se é um custo fixo, se pergunte se ele continuará existindo mesmo que não haja venda ou produção.

Obviamente que esses custos variam de empresa para empresa, tudo depende do perfil do negócio e quais são os produtos ou serviços oferecidos. O gestor deve tirar um tempo para fazer uma lista com todos esses custos e seus valores para entender qual a quantia que necessita todos os meses para manter a operacionalidade. O conhecimento desses pontos permitirá, inclusive, estabelecer preços mais competitivos para os clientes.

4 – Análise do fluxo de caixa

Alguns empresários enfrentam problemas pelo fato de que não têm uma visão clara de quanto estão lucrando efetivamente. Isso acontece porque, geralmente, esses empreendedores olham somente para os números de entrada, mas se esquecem que precisam subtrair esses montantes dos custos. O lucro é o resultado da subtração das entradas dos custos operacionais.

Para se manter a par da situação real das finanças da sua companhia, é necessário manter um controle mais realista do fluxo de caixa. É interessante ter o hábito de fazer essas estimativas para não acabar se perdendo em uma ilusão gerada por entradas elevadas, porém, que pode estar mascarando um sério problema de gestão causado por custos demasiados. Fazer uma análise desse fluxo é crucial para detectar a necessidade de um eventual corte de custos ou remanejamento de alguns setores.

5 – Faça cálculos com valores reais

Outro ponto que pode fazer com que muitos gestores percam o controle das finanças do seu negócio é fazer cálculos considerando valores que serão recebidos no futuro, ou seja, compras parceladas ou a prazo. A inadimplência infelizmente é uma realidade no Brasil e pode ser bastante complicado resolver problemas gerados pelo não pagamento de um cliente para o orçamento de uma maneira geral. Somente inclua nos seus cálculos valores que realmente estão fisicamente à disposição.

6 – Atenção à precificação

Os preços dos produtos ou serviços que comercializa podem não estar alinhados com o mercado e nem mesmo com o investimento feito para produzi-los. De tempos em tempos, é interessante fazer o cálculo do preço de custo de cada item. Lembre-se que muitas mercadorias passam por reajustes constantes de preços e isso deve se refletir no seu preço final.

Uma forma de ter uma ideia a respeito da assertividade dos seus preços é pesquisar a concorrência. Se observar uma diferença considerável entre os preços do seu estabelecimento e dos concorrentes, é interessante dar uma repensada nos valores. No momento da precificação, estabeleça também uma margem de descontos que pode ser concedida em datas especiais para atrair mais público.

7 – Fornecedores devem ser parceiros

Um ponto de virada para uma gestão financeira mais eficiente das empresas se dá no momento em que se compreende que fornecedores devem ser entendidos como parceiros. Verifique quais são as suas rotinas de compra com cada fornecedor, de maneira que possa considerar estratégias para obter descontos e facilidades de pagamento. Estabelecendo relações harmoniosas com os fornecedores, fica bem mais simples fazer seu empreendimento prosperar.

8 – Atenção ao desperdício

Um fator que costuma causar problemas financeiros para empresas em geral é o desperdício. O gestor deve fazer uma análise dos produtos ou serviços que oferece, sabendo exatamente quais são os materiais mais utilizados e em quais quantidades. A partir dessa verificação, é possível ter uma ideia mais completa a respeito de desperdícios.

Se não existir uma forma de controle, dificilmente existirá a prevenção do desperdício. As compras dos materiais devem ser registradas para que possam ser verificadas ao longo do tempo com a potencial identificação de excessos. Nesse ponto, entra a dica de usar um software ou aplicativo para controle do estoque.

9 – Trabalhe com metas alinhadas com a realidade

Tem algo mais frustrante do que perseguir o impossível? Com certeza não, e, além do sentimento de derrota diante da não concretização de uma meta, é possível cometer erros bastante sérios para o andamento da empresa no mercado como um todo. No momento em que estiver estabelecendo as metas para o próximo ciclo da organização, foque na situação real do empreendimento, compreendendo como será seu futuro.

O crescimento financeiro deve ser planejado com muita clareza e de maneira a atender as demandas da sua empresa. Será que o próximo ano é realmente o melhor momento para abrir uma filial? Será que não vale mais a pena diversificar os produtos e serviços na unidade que já existe? Faça questionamentos para chegar a respostas de metas mais relevantes.

10 – Faça um curso de Gestão Financeira para pequenas empresas

Além de seguir as dicas compartilhadas ao longo deste artigo, é interessante que procure fazer um curso que te dê mais conhecimento e confiança para tomar decisões em relação ao seu negócio. O SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) oferece uma opção de curso de Gestão Financeira totalmente online e gratuito, uma oportunidade bastante interessante para entender mais sobre gestão.

Buscar esse tipo de conhecimento é importante porque um negócio vai além da sua expertise comercial. Por exemplo, um profissional pode ser apaixonado por moda e, por isso, escolher ter uma loja de roupas, ou ser um grande cabeleireiro e abrir um salão de beleza, contudo, sem habilidades administrativas, são grandes as chances que se perca pelo caminho.

Por mais que seja possível contratar pessoas especializadas para cuidar dos aspectos financeiros da empresa, é importante que o proprietário tenha uma noção, mesmo que básica, a respeito dessa área.

Gostou das dicas? Se este conteúdo te ajudou de alguma maneira, leve-o adiante, compartilhando em suas redes sociais!

 

E aí, curtiu esse conteúdo?

Saiba que ele é apenas a pontinha do iceberg e você pode desenvolver suas habilidades de liderança muito mais. Baixe agora o ebook Leader Coach e aprenda como extrair o máximo resultado da sua equipe.
Preencha o formulário, é de graça.

*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010