O que mudou no marketing com as redes sociais?

Uma pessoa usando celular

Entenda o que mudou no marketing com as redes sociais.

É inegável que a era digital transformou completamente a forma como as empresas vendem seus produtos. O consumidor atual está praticamente em tempo integral nos canais digitais demandando atenção das marcas. As estratégias de marketing precisam ser pensadas também para o digital para impactar a audiência. 

Antes, ter um grande orçamento de marketing já bastava para usufruir amplamente dos canais de comercialização. Atualmente, essa realidade é totalmente diferente porque a estrutura em que o marketing se dá é outra.

No artigo a seguir iremos falar com mais detalhes sobre o que mudou no marketing com as redes sociais. Vamos começar?

Marketing: o que mudou com as redes sociais?

A forma como as empresas desenvolvem as suas campanhas de marketing mudou consideravelmente com a nova realidade advinda da era digital. O consumidor passa boa parte do seu tempo online e é nesse ambiente, no qual ele tem o poder de fechar qualquer página, que as marcas precisam prosperar.

Antes, as marcas tinham controle sobre a forma como chegariam ao seu público-alvo. Quem desejasse assistir a um programa de televisão, inevitavelmente, veria o intervalo comercial. Ter um filme sendo veiculado em uma emissora de televisão ou uma peça publicitária em uma revista demandava um grande orçamento.

Hoje em dia, empreendimentos de qualquer tamanho podem ter uma página nas redes sociais e viralizar pelo simples gosto do público. Não é mais necessário ter um orçamento considerável para estar no radar do seu público-alvo.

No entanto, agora o público precisa ser cativado, conquistado, pois pode simplesmente não seguir se não gostar. Continue lendo para entender melhor essas mudanças neste cenário digital em que as redes sociais têm um papel preponderante. 

1. Atendimento em tempo integral

Antes da era digital, o serviço ao cliente quase perdeu sua relevância. Embora muitas marcas reconhecessem a importância de oferecer um bom atendimento dentro de suas lojas, não mantinham a interação após a concretização do negócio. 

No cenário delineado pela era digital, essa foi a principal mudança, o serviço de atendimento ao cliente acontece em tempo integral. Existe um imediatismo que faz com que as pessoas esperem que suas necessidades possam ser atendidas a qualquer momento. As empresas que dão a esse atendimento status de diferencial competitivo precisaram se adaptar. 

É importante o adendo de que o atendimento full time não quer dizer estar disponível 24h por dia, 7 dias por semana. Apenas significa que a marca precisa resolver os problemas dos clientes o mais rápido possível. 

2. Maior competitividade 

O fato de as redes sociais serem um dos principais canais de comunicação entre consumidores e marcas permitiu uma maior competitividade. Empresas de todos os tamanhos estão ampliando o investimento e a participação na economia digital. 

Esse cenário cria uma grande vantagem competitiva em comparação aos grandes empreendimentos. Companhias de menor porte têm mais facilidade para acompanhar o ritmo da realidade digital. 

3. Investimento mais acessível em publicidade

Como mencionamos acima, era importante ter grande orçamento para investir em marketing. Os meios tradicionais demandavam grande investimento para a inserção das marcas. Com as redes sociais essa já não é mais a realidade, o orçamento para anunciar uma marca pode ser pequeno. 

Um cenário em que não é mais necessário ter um amplo orçamento para o marketing favorece a competitividade e, acima de tudo, a criatividade. Além disso, as marcas conseguem desenvolver planejamentos mais estruturados e voltados para o seu público-alvo específico. É possível direcionar os anúncios para a parcela do público que realmente interessa. 

4. O fim da publicidade tradicional

A publicidade tradicional praticamente não existe mais. O rádio e a televisão, por exemplo, perderam consideravelmente a sua audiência devido ao surgimento do YouTube e dos streamings, por exemplo.

Sendo assim, os anunciantes começaram a procurar por novos meios de ter acesso ao público-alvo. Para as marcas, as redes sociais representam o “lugar” em que o público está e a possibilidade de atingir parcelas específicas da audiência. 

5. Anúncios que não são anúncios

Nos últimos tempos, tornou-se mais comum o uso de bloqueadores de anúncios. Algo que vem gerando um prejuízo grandioso para empresas como Facebook e Google. De maneira geral, as pessoas não gostam de anúncios porque não gostam de se sentir forçadas a consumir algo. 

Exatamente por esse motivo, as marcas têm compreendido que anúncios muito comerciais não funcionam com a audiência das redes sociais. As pessoas não querem receber em suas timelines vídeos que mostrem atributos de um produto/serviço. Elas querem, na verdade, ser ajudadas em sua escolha e resolução de problemas. 

Nesse contexto, o marketing de conteúdo vem ampliando o seu alcance e poder de conversão. Os potenciais consumidores querem ter suas perguntas devidamente respondidas. O movimento é oposto ao anterior, pois na configuração da mídia tradicional era feito o marketing de interrupção. Os comerciais interrompiam a programação das emissoras de televisão e o consumidor ficava a par do que as marcas ofereciam.

Hoje em dia, as pessoas buscam por soluções para seus problemas online. Os conteúdos disponibilizados em redes sociais permitem a elas descobrir quais são os seus problemas e possíveis soluções. Nessa configuração, as marcas não estão interrompendo a diversão das pessoas e sim as auxiliando com respostas para suas perguntas. 

6. Discurso mais pessoal

Uma característica inegável das redes sociais é que elas são sobre as pessoas que estão inseridas nelas. Logo, as marcas que desejam prosperar nesse canal precisam adotar um discurso mais pessoal. É importante que as empresas falem de si mesmas de uma forma mais próxima de quem está lendo e sendo impactado. 

Essa aproximação por meio do discurso é essencial para criar uma conexão verdadeira com o público-alvo. O público precisa se sentir acolhido e próximo de quem está interagindo com ele. A forma como as marcas se posicionam é determinante para que elas alcancem os seus objetivos.

Os consumidores não aceitam mais que as empresas lhes digam o que é melhor. Elas devem provar que realmente têm aquilo que resolverá os problemas deles. A audiência não aceita imposições, faz a sua própria escolha de acordo com as informações a que tem acesso.

A era digital e as redes sociais com certeza mudaram o marketing!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63

This will close in 0 seconds