Coaches
Formados
Centrais de
Atendimento
(11)NoSkype 4062-0988
Instituto Brasileiro de Coaching

< Voltar

Conheça a Teoria de Herzberg

Teoria de Hezberg

A satisfação com seu trabalho pode estar relacionada diretamente com a teoria de Herzberg

Você está satisfeito com seu trabalho? Se a resposta for não, seu rendimento hoje deve estar aquém de suas capacidades, do contrário, você deve estar produzindo com motivação e efetividade. Segundo a Teoria da Motivação, desenvolvida pelo psicólogo Frederick Herzberg, o nível de rendimento dos profissionais varia de acordo com sua satisfação no trabalho, depende de como se sentem neste ambiente e dos fatores que influenciam em sua motivação e desmotivação.

As Teorias da Motivação foram desenvolvidas na segunda metade do século XX, e estão em constante pesquisa. Muitos estudiosos caracterizam a teoria de Herzberg como o estudo da “Satisfação”, pois visam medir o índice de motivação das pessoas, baseadas em suas necessidades e aspirações.

Estes anseios podem ser pessoais, no nível das necessidades internas, como explica a Teoria da Pirâmide das Necessidades de Abraham Maslow, e em nível profissional, tangível aos aspectos e ambientes externos como a teoria de Herzberg.

Teoria da Motivação de Frederick Herzberg

Frederick Irving Herzberg foi um psicólogo e influente professor de gestão empresarial americano. Nascido dia 18 de abril de 1923 em Massachusetts, graduou-se na City College em Nova York e fez pós-graduação na Universidade de Pittsburgh. Quando não estava estudando, dava aulas de psicologia na Case Western Reserve, em Cleveland.

O professor ficou um tempo afastado dos estudos para servir como sargento no exército. De acordo com ele, foi essa experiência que o levou a se interessar por motivação. O psicólogo acreditava que o enriquecimento do trabalho é um processo de gerenciamento contínuo que impacta diretamente na motivação do funcionário. Herzberg era tão admirado em sua área que seus livros e artigos ganharam a atenção de pessoas como Douglas McGregor e Abraham Maslow, ambos importantes estudiosos de relações humanas. Ele chegou à conclusão de que existem fatores que colaboram com a motivação e a satisfação das pessoas em seus trabalhos. De acordo com ele “… A prevenção da insatisfação é tão importante quanto o incentivo de satisfação”.

O seu trabalho de maior relevância é a Teoria dos Dois Fatores, que foi publicada em seu livro “A Motivação para Trabalhar”. Nessa teoria, ele explica que são dois os fatores responsáveis pela satisfação e motivação das pessoas em um ambiente corporativo.

Fatores motivadores

Como o nome já diz, são fatores que quando presentes causam motivação, e quando ausentes provocam insatisfação. São os fatores que têm relação com o funcionário e sua motivação em seu cargo em si e nas atividades que ele exerce. Aqui, se encaixam algumas ações como o reconhecimento do trabalho exercido, o crescimento profissional, autorrealização, os desafios que são lançados e a capacidade de poder realiza-los, o crescimento, a liberdade de decidir como realizar suas atividades e o uso plenos de suas habilidades pessoais.

De acordo com a teoria de Herzberg, os fatores motivacionais são os responsáveis por resultarem em aumento de produtividade e satisfação.

Fatores Higiênicos

Esses fatores são os relacionados à empresa e, quando ausentes, causam insatisfação, mas quando presentes, apesar de satisfatórios, não causam necessariamente a motivação do funcionário. Eles estão relacionados com o ambiente que o rodeia e a conduta da empresa do que com as funções do funcionário em si. São eles: o salário, ambiente empresarial, política da empresa, as oportunidades de crescimento, a relação dos superiores com os demais funcionários e os benefícios sociais, por exemplo. Herzberg disse “… Fatores de higiene operam independentemente dos fatores de motivação. Um indivíduo pode ser altamente motivado em seu trabalho e estar insatisfeito com seu ambiente de trabalho”.

Com essa teoria, Herzberg concluiu que o que causa a insatisfação nos funcionários são questões ambientais, que não são ligadas a seus cargos ou funções desempenhadas. Ele também constatou que o que leva à motivação de um colaborador é o que diz respeito às suas atividades e seu cargo.

A teoria de Herzberg mostra como um funcionário pode ser impactado dentro da empresa e o que causa satisfação e motivação para o mesmo. Os líderes das equipes e o RH da empresa podem usar essas informações tanto para prevenir a insatisfação por parte de seus colaboradores como para saberem o que poderá motivá-los, causando assim um aumento de produtividade e colocando o funcionário em uma situação de satisfação duradoura.

Estudo de caso

Ao longo dos anos, diversos pesquisadores identificaram a aplicação dos fatores apontados por Herzberg como indispensáveis para o sucesso de grandes organizações. No Brasil, podemos destacar a dissertação de Mestrado apresentado por Roberto Kern Gomes para a conclusão da Pós-Graduação em Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina e Escola Superior de Administração e Gerência.

No trabalho, Gomes utilizou como exemplo uma empresa de alta técnogia, que foi fundada em 1978 e faturou mais de 300 milhões em receita líquida entre 2003 e 2005, período em que o estudo foi realizado.

Fatores motivadores

Para a pesquisa, Gomes entrevistou os funcionários da empresa para identificar quais os fatores que causavam satisfação (motivadores) e aqueles que deixavam os colaboradores insatisfeitos (higiene). Foi apresentado um questionários aos entrevistados, no qual eles deveriam assinalar a opção em que mais gerava satisfação no trabalho. A pergunta foi repetida mais uma vez, porém, mudando as opções.

Na primeira questão, oportunidade de desenvolvimento foi a primeira colocada com 54,55%, seguida de: desafio constante (31,82%), condições para exercer o trabalho (9,09%) e promoção/reconhecimento no trabalho (4,55%). Já a segunda ficou dessa forma: ambiente desafiador (45,45%), natureza do trabalho (36,36%), relacionamento com colegas (13,64%) e metas claras para funcionários (4,55%).

Esse resultado corrobora com o que a Teoria de Herzberg propõe, pois os fatores apontados pelos funcionários são ligados ao trabalho exercido pelo colaborador, tendo destaque a realização de atividades que tenham algum grau de desafio e não sejam realizadas apenas de forma semi-automática.

Fatores Higiênicos

A mesma metodologia utilizada para mapear os fatores que causam maior grau de satisfação nos colabores foi replicada para os que causam insatisfação. Com 54,55%, o estresse foi o fator que mais recebeu votos pelos funcionários. Ter um plano de carreira restrito ficou na segunda posição com 22,73%. Por fim, os outros apontados foram: rotina/monotonia no trabalho (13,64%), falta de tempo com a família (4,55%) e salário recebido (4,55%).

As respostas obtidas aqui também, em sua maioria, corroboram com o argumento apresentado por Herzberg em sua teoria, já que estão intimamente ligados ao ambiente empresarial e o que cerca o colaborador.

Diferença entre teoria e prática

Como em praticamente todo postulado teórico, antes de sua aplicação, é preciso fazer uma avaliação local e restrita, pois adaptá-lo a realidade do seu negócio é vital para que a utilização da Teoria de Herzberg seja bem-sucedida e traga resultados satisfatórios. Como pode ter sido percebido, diferentemente do que Herzberg propôs, nesse caso específico, alguns fatores motivadores podem, sim, causar insatisfação e vice-versa.

Porém, essas adaptações necessárias não diminuem a eficácia nem mesmo a importância que a Teoria dos Dois Fatores provou ao longo dos anos, sendo, sem sombra de dúvidas, fundamental para o desenvolvimento de uma cultura empresarial que mantenha os colaboradores motivados e obtenha todos os benefícios proporcionados por esse tipo de ambiente.

  • Fechar