Como aplicar o conceito de economia criativa como estratégia de desenvolvimento

O que difere a economia criativa das economias tradicional, da manufatura, agrícola e comercial é o seu foco no potencial individual ou coletivo para produzir bens e serviços

A economia criativa chega como uma alternativa para a geração que é insaciável de constante inovação. Esse termo veio dar nome aos modelos de negócios ou gestão, com origem em atividades, produtos ou serviços desenvolvidos a partir do conhecimento, criatividade ou capital intelectual.

A economia criativa abrange todo o ambiente de negócios existente na indústria criativa, que tem como base bens e serviços criativos. Resumindo, é um setor que reúne atividades que têm a cultura e a criatividade como matéria-prima.

Economia criativa é qualquer atividade que envolva criatividade?

Para ser uma economia criativa é preciso que alguém esteja lucrando diretamente com ela. Como assim? Simples, vamos pensar em dois conceitos-chave: bens intangíveis e propriedade intelectual.

Bens intangíveis

São obras que não podem ser tocadas fisicamente, ou seja, o conteúdo de um livro, softwares, músicas, filmes, tudo que possui um alto valor intelectual e também comercial.

Um exemplo é a Coca-Cola. A marca em si é só um desenho associado a um nome, porém é um dos bens mais valiosos do mundo.

Propriedade Intelectual

É o conjunto de proteções dadas a esses bens intangíveis, ou seja, copyrights e patentes que vão identificar o valor comercial das obras.

Para que serve a Economia Criativa?

A Economia Criativa tem sido considerada a grande estratégia de desenvolvimento do século XXI. Isso acontece porque ela oferece enormes oportunidades nessa área, além de um vasto campo da Cultura de Negócios, como inovar produtos e serviços, ampliar o mercado e fidelizar clientes. Tudo isso acontece por meio da incorporação de elementos culturais e criativos ao negócio.

O objetivo da economia criativa é criar uma rede de artistas e empresários que tenham a capacidade de promover um crescimento sustentável no setor criativo.

Uma indústria criativa é orientada pelo conceito da economia criativa, valorizando a criatividade individual ou coletiva, habilidades e talentos. Além disso, ela tem potencial para criar riquezas e empregos a partir do desenvolvimento de propriedade intelectual.

Economia criativa como estratégia de desenvolvimento

A economia criativa é responsável por promover o desenvolvimento sustentável e humano e não apenas o crescimento econômico. A cultura, a criatividade e o conhecimento são matérias-primas da economia criativa e os únicos recursos que não se esgotam. Quanto mais utilizada, mais ela se multiplica e se renova.

A melhor forma de aplicar o conceito da economia criativa como estratégia de desenvolvimento é através da gestão do conhecimento. Simplificando, é tornar o conhecimento individual acessível a terceiros.

Desta forma, você dissipa o conhecimento na empresa e promove a descentralização de processos capacitando outros profissionais, além de ser uma estratégia para a sustentabilidade do planeta, da espécie humana e também das empresas.

Esse artigo foi útil para você? Deixe seu comentário abaixo e se fizer sentido para você, convido-o a curtir e compartilhar nas redes sociais.

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.

Imagem: ImageFlow / Shutterstock

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010