Auto Analise: Comportamento Intragrupal

Entenda mais a respeito do que é comportamento intragrupal e qual a sua influência para o desenvolvimento de qualquer projeto em equipe

Cada vez mais os líderes têm reconhecido a importância de analisar e identificar as principais características do comportamento intragrupal nas empresas. As equipes são essenciais para a realização de um trabalho bem executado e sólido em diferentes áreas. Independentemente do desenvolvimento tecnológico, ainda são as pessoas que movem as companhias e as tornam eficientes ou ineficientes.

Os indivíduos já nascem propensos para o conflito e essa característica tende a ser ampliada quando inseridos em grupos com foco na realização de atividades laborais. Compreender os fatores que podem desencadear conflitos e comportamentos intragrupais inadequados é o primeiro passo para estabelecer um clima organizacional agradável e, em consequência, um ritmo muito mais produtivo.

Preencha AGORA o formulário para descobrir!

Comportamento intragrupal: investigando os fatores de conflito

Anteriormente você leu sobre a propensão natural do ser humano de viver em conflito com seus semelhantes, isso acontece porque vivemos de tal forma a estarmos sempre inseridos em grupos. O primeiro grupo social do qual um indivíduo faz parte é a família, depois a escola e, por fim, o trabalho. Estabelecer relações com as pessoas que compõem esses grupos pressupõe o desenvolvimento de padrões comportamentais reconhecidos como adequados.

Com o passar do tempo, as pessoas vão entendendo quais são os comportamentos aceitos internamente em cada grupo do qual fazem parte e buscam repetir esses padrões para não entrar em conflito. No entanto, mesmo seguindo essa “cartilha” de comportamentos é praticamente inevitável não se chocar com pessoas que têm crenças diferentes daquelas que carregamos. No entanto, o conflito intragrupal pode ser instrutivo.

Conflito é um processo

Geralmente, a palavra conflito é vista de forma negativa em diferentes contextos porque as pessoas não consideram seu significado total. Entrar em conflito significa precisar fazer comparações entre aspectos conflitantes para a escolha de um que seja mais adequado. Em linhas gerais, o conflito pode ser definido como um processo que surge em determinadas circunstâncias dentro do grupo, gera um determinado tipo de reação e produz resultados.

Conflitos surgem da percepção que desejos e interesses serão frustrados por outra parte. Dessa forma, no campo de análise do comportamento intragrupal, é possível verificar conflitos nascidos da impossibilidade de atender a todas as demandas dos indivíduos que compõem o grupo. A partir da compreensão de que conflito é um processo com começo, meio e fim é válido dizer que o mais eficiente a ser feito é remediar as suas causas e não os sintomas que gera.

Fatores que desencadeiam o conflito intragrupal

Veja, a seguir, os principais fatores desencadeantes de conflitos entre membros de um mesmo grupo com o objetivo de auxiliar os gestores a prevenir situações que possam comprometer o bom clima organizacional.

1 – Falta de percepção da liderança

O comportamento intragrupal tende a se tornar bastante conflituoso quando não há uma liderança plenamente identificada, ou seja, quando os subordinados do grupo não veem ninguém como o norte. Liderar, antes de qualquer coisa, é administrar os pontos de discordância entre os indivíduos que compõem o grupo, objetivando chegar a uma solução positiva para todos.

Ao identificar que o comportamento intragrupal está seguindo para um conflito constante, é recomendável que o indivíduo em posição de liderança observe a situação e converse com os envolvidos para determinar as causas. Como já citado, o mais relevante para gerir conflitos em grupos é resolver as causas e não os sintomas.

2 – Existência de subgrupos conflitantes

Quanto maior a equipe de trabalho, mais chances de existir subgrupos, ou seja, grupos menores que dividem as mesmas tarefas e/ou interesses. Se essas parcelas do grupo maior, por algum motivo, entrarem em conflito pode se criar um ambiente bastante difícil para se trabalhar.

Cabe ao gestor da equipe ficar atento a esse fortalecimento de ligação entre grupos menores inseridos no grande grupo para evitar embates de ideias. Uma forma de direcionar suas ações para as causas e não para os sintomas é evitar que surjam internamente privilégios, subgrupos com tarefas “melhores” ou com carga de trabalho mais leve.

3 – Alinhando diferentes personalidades

Grande parte dos casos de conflito intragrupal decorre da união de pessoas com personalidades muito diferentes. No entanto, isso não significa que formar uma equipe de personalidades parecidas é a solução. O ponto chave para ter um comportamento intragrupal saudável é criar situações em que as personalidades conflitantes possam se complementar.

Quando a liderança estimula um ambiente agradável para a realização do trabalho, torna-se bem mais simples para os liderados atuar em conjunto em busca de melhores resultados. O mais importante é evitar criar um ambiente estressante e demasiadamente competitivo, pois esses fatores funcionarão como combustível para tornar a convivência intragrupal muito difícil.

4 – Diálogo é fundamental

Equipes que têm o hábito de dialogar tendem a ser mais harmônicas e complementares em sua forma de agir. A troca de experiências e o desenvolvimento de empatia contribuem para reduzir significativamente os conflitos que podem desestruturar grupos com grande potencial de produção.

Uma forma de trabalhar o diálogo dentro da equipe é estabelecer um momento em que todos possam sentar e conversar a respeito de eventuais conflitos. Resolver as questões que poderiam passar despercebidas para o grupo, mas, gerar rancor em alguns indivíduos, é essencial para não deixar acumular pontos não discutidos embaixo do tapete.

5 – Analise o que dá certo

A partir do momento em que há um comportamento intragrupal saudável, é interessante analisar quais são as atitudes que corroboram para esse cenário e passar a repeti-las. Encontrar um equilíbrio entre a propensão natural de conflito do ser humano e a boa convivência da equipe permite organizar o trabalho rumo à conquista de mais objetivos.

Conversar com os colaboradores é uma das maneiras mais eficientes de se entender qual foi o caminho percorrido que levou ao estabelecimento de uma convivência pautada na harmonia. O comportamento de grupos tem como base o estabelecimento de padrões de convivência, ou seja, conforme o tempo passa, as pessoas vão adquirindo uma forma específica de se relacionar entre si no contexto em que estão inseridas.

Agora que você já conhece mais questões pertinentes ao comportamento intragrupal tem mais ferramentas para trabalhar na busca de um clima organizacional mais saudável!

Aproveite para deixar seu comentário abaixo e compartilhar este conteúdo em suas redes sociais!

 

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.
José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63