Os malefícios da competitividade no trabalho

© Depositphotos.com / alex150770 A competitividade deve vir da vontade de se autodesenvolver e se tornar melhor do que já é, e não pela ideia de ocupar o espaço de outra pessoa ou se tornar melhor do que o outro.

Muitas pessoas acreditam que, quanto menos competitiva for a empresa, mais beneficiada ela será por causa do clima amistoso no trabalho. Isso porque, em geral, funcionários competitivos tendem a colocar o bem-estar organizacional abaixo de seu sucesso individual, fazendo com que a rotina da empresa se torne egoísta, desleal e impiedosa.

Preencha AGORA o formulário para descobrir!

Malefícios da competitividade no trabalho

Não é segredo para ninguém que a competitividade ajuda no desenvolvimento profissional, uma vez que ela torna o colaborador mais dedicado, atento, afiado e oportunista. Porém, quando esse desejo de se destacar passa do ponto, algumas consequências negativas são explicitadas.

Um dos grandes malefícios da competitividade no trabalho é a intriga criada entre companheiros de tarefas ou departamentos que, em busca de destaque, acabam ficando inimigos por pensarem que só há espaço para um deles ali dentro. Este é um engano que pode comprometer significativamente a funcionalidade da empresa.

Outro tipo de malefício é a falta de sincronia no trabalho em equipe. Normalmente, funcionários com competição muito acirrada entre si, preferem focar em suas atividades individuais como forma de fazer seu trabalho aparecer mais e levar os créditos.

Porém, todos sabem que duas ou mais mentes brilhantes podem fazer maravilhas juntas. Basta pegar como exemplo uma das maiores bandas da história: os Beatles, que reuniam três dos grandes nomes da música no século XX — John Lennon, Paul McCartney e George Harrison. Começaram como uma equipe e, nos últimos anos da banda, se tornaram mais individualistas, chegando ao ponto de acabarem com o projeto e seguirem em carreira solo —que eram boas, claro,mas não chegavam perto de seus discos mais aclamados.

A competitividade acirrada e irracional retira a sincronia enérgica dos colaboradores, e os torna pessoas individualistas e que não sabem aproveitar a oportunidade de trabalhar em equipe.

A felicidade é imprescindível para o bom desempenho profissional!
Clique aqui, faça nosso “TESTE” e descubra como anda sua felicidade!

Como manter a competitividade sob controle

Todos os malefícios da competitividade podem ser contornados por meio de algumas medidas como a realização de dinâmicas de grupo que tornem a realidade estressante do trabalho em algo com um objetivo coletivo. Estas atividades devem mostrar aos profissionais que todos estão no mesmo barco e buscam o mesmo objetivo: o sucesso profissional.

Outra forma de impedir a rivalidade é saber reconhecer os esforços dos colaboradores e estimulá-los a melhorar não porque tal profissional está indo bem, mas porque a organização quer despertar e incentivar a motivação coletiva.

Lembre-se: a melhor manifestação de competitividade vem da vontade de se autodesenvolver e se tornar melhor do que já é, e não pela ideia de ocupar o espaço de outra pessoa ou se tornar melhor do que o outro.

Gostou das dicas? Comente e compartilhe em suas redes!

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.
Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010