Recrutamento e Seleção – Quais são os principais erros desse processo?

recrutamento e seleção

Conheça quais são os principais erros que ocorrem no processo de recrutamento e seleção.

O processo de recrutamento e seleção deve ser encarado como um investimento pelo gestor. Desse ponto de vista, é crucial que seja realizado de forma correta, evitando erros que podem levar a contratações inadequadas. Quando esse processo não é feito corretamente, pode gerar prejuízos financeiros e humanos para a empresa.

Alta rotatividade é um indicador de que algo não está funcionando bem e o problema pode ser o método de seleção. Para quem tem dúvidas a respeito desse tema, vamos apresentar com detalhes os principais erros que podem ser cometidos na seleção.

Comece a ter o

Destaque

que você merece!

Preencha os campos abaixo para receber o e-book.

Recrutamento e Seleção: quais são os principais erros do processo?

O processo de recrutamento e seleção deve ser elaborado observando as necessidades da companhia. Para que tenha melhores resultados, confira quais os principais erros que podem ser evitados.

1. Realizar o processo sem metas e objetivos definidos

Iniciar um processo de recrutamento e seleção sem definir metas e objetivos claros, faz com que o recrutador trabalhe no escuro. Para evitar que o processo se torne confuso, é interessante definir de antemão quais os requisitos mais importantes para preencher a vaga. O recrutador deve listar as habilidades técnicas e pessoais para que o candidato seja selecionado.

Também é necessário definir, antes de iniciar o processo, qual colaborador ficará responsável por cada etapa. Quem irá receber e fazer a triagem dos currículos? Quem fará a entrevista? Quantas entrevistas serão feitas? Haverá dinâmica de grupo? Se sim, quem irá comandar a atividade?

Os recrutadores têm mais chances de fazer uma avaliação alinhada com as necessidades da empresa tendo todos os tópicos bem descritos. Quanto maior o número de informações, mais simples se torna definir quais são os candidatos mais bem preparados para o cargo.

2. Divulgação falha da vaga

A divulgação da vaga em questão deve ser feita de forma a impactar o perfil correto de candidato. Há duas falhas principais na divulgação: falta de especificidade e especificidade demasiada.

No primeiro caso, o cargo em questão é divulgado de forma bem generalista e sem especificações, de forma que qualquer pessoa se candidata. O segundo caso consiste em apresentar a vaga de forma tão específica que ninguém se candidata para ela.

O ideal é buscar o equilíbrio, nem ser generalista e nem específico demais. Assim, será possível atrair candidatos interessantes e em um número que permita escolher realmente o melhor.

3. Não avaliar o perfil pessoal do candidato

O processo de recrutamento e seleção deve levar em consideração mais do que apenas as habilidades técnicas dos candidatos. O recrutador deve observar com atenção habilidades pessoais e comportamentais. Para que o processo tenha mais chances de dar certo, é imprescindível que seja feito o mapeamento do perfil pessoal esperado para a vaga.

O candidato selecionado deve estar alinhado com a equipe na qual será inserido. A falta de entrosamento é um dos principais motivos pelos quais os profissionais desistem do cargo em menos de um ano. Contratar alguém que não irá se adaptar e sairá logo em seguida representa prejuízo para a empresa.

4. Realizar um processo seletivo muito lento

Processos de recrutamento e seleção não devem se estender demasiadamente, pois há o risco de perder os melhores candidatos ao longo do tempo. O mais indicado é que a empresa organize as etapas de seleção antes de iniciar o processo. Cada etapa deve ter um prazo para iniciar e terminar.

Quando o processo se estende demais, pode acontecer de o candidato preferido para a vaga ser contratado por outra companhia. Outro ponto negativo de processos longos é que eles tendem a desgastar os candidatos. Não é interessante para a empresa que o profissional já comece em suas funções desanimado por sentir que está em uma organização muito burocrática.

Caso seja essencial para o preenchimento da vaga em questão fazer mais de uma entrevista, é indicado não espaçar muito os contatos. O candidato deve ter ciência de que a vaga ainda está em aberto e que tem chance de preenchê-la. Por isso, é válido iniciar o processo com todos os passos definidos em um cronograma.

5. Não utilizar ferramentas adequadas

Atualmente, há uma grande variedade de ferramentas que podem otimizar o processo de seleção. Plataformas de gestão de RH e sistemas de armazenamento de currículos são excelentes opções para facilitar o processo de seleção. Bancos de dados que permitam filtrar as informações são mais indicados para auxiliar na escolha do profissional que ocupará a vaga.

Outras ferramentas que podem tornar a escolha dos candidatos mais efetiva são os testes de triagem de currículo. Esses recursos permitem chegar aos candidatos mais indicados para cada vaga em menos tempo. Além disso, é mais fácil evitar convocar para entrevistas candidatos que não são adequados.

6. Contratar com downgrade de 20% ou mais

Downgrade (rebaixamento) é uma situação comum no mercado após uma crise econômica. Muitos profissionais ficam desempregados e aceitam serem reincorporados ao mercado com salários mais baixos. Porém, quando o mercado volta a aquecer, eles encontram opções melhores em outras companhias.

Durante a crise, os 20% ou mais podem não ser tão significativos, mas depois da recuperação faz sim diferença. Para as empresas que contratam candidatos mais qualificados do que a vaga ou oferecem salários mais baixos, representa um grande prejuízo perder o contratado em menos de seis meses.

Além de perder força operacional (o time fica desfalcado até uma nova contratação) se perde o investimento feito. Observe que o investimento se refere tanto ao valor desembolsado para realizar o processo quanto ao tempo de treinamento. Será necessário contratar e selecionar um novo profissional para a vaga em questão.

Para evitar essa situação, é importante avaliar a possibilidade de conceder um aumento salarial para os profissionais mais qualificados. Outra opção é definir um perfil específico para a vaga e não se deixar levar pelo cenário. Lembre-se de que um profissional bem qualificado e descontente com seu salário pode se tornar um ex-funcionário. Downgrade só é interessante em curto prazo.

Esses são os principais erros cometidos durante o processo de recrutamento e seleção! Deixe seu comentário abaixo e compartilhe o conteúdo em suas redes sociais!

Imagem: Por ADragan

E aí, curtiu esse conteúdo?

Saiba que ele é apenas a pontinha do iceberg e você pode desenvolver suas habilidades de liderança muito mais. Baixe agora o ebook Leader Coach e aprenda como extrair o máximo resultado da sua equipe.
Preencha o formulário, é de graça.
José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010