Turnover – O que é e como calcular?

Entenda mais sobre o conceito de Turnover e saiba também como calcular o indíce de sua empresa

Turnover é o nome dado para a rotatividade de pessoal dentro de uma empresa, ou seja, a quantidade de demissões e contratações que acontecem. É um índice muito importante, pois está ligado à satisfação dos colaboradores, o que tem total relação com a produtividade, o bom desempenho e, consequentemente, os resultados da organização.

Uma empresa que deseja se manter competitiva precisa se atentar ao índice de turnover pelos motivos já citados e, também, porque demissões e contratações geram muitos custos. É muito mais vantajoso, por todos os aspectos, manter uma equipe sólida, engajada e entrosada do que renovar o quadro de funcionários com frequência.

Ao longo deste artigo você irá aprender como calcular o índice de turnover, além de conferir dicas de como reter talentos e alcançar excelentes resultados, acompanhe.

Comece a ter o

Destaque

que você merece!

Preencha os campos abaixo para receber o e-book.

Como calcular o índice de turnover?

Existem várias maneiras de fazer o cálculo de turnover, ou seja, a porcentagem de funcionários que deixaram a empresa durante determinado período de tempo e aqui vamos apresentar a mais prática e relevante.

Geralmente, as organizações consideram situações de demissão, pedido de demissão e não renovação de contrato após o período de experiência. As promoções internas não costumam ser contabilizadas, porque o profissional continua fazendo parte da equipe.

Para realizar o cálculo são necessários três dados:

  • Número de funcionários do início do período a ser considerado no cálculo;
  • Número de funcionários do final do período, ou seja, atualmente;
  • Número de funcionários que deixaram a empresa durante o período.

Para obter a média de funcionários, somando o número de funcionários inicial com o final e, em seguida, dividindo por dois.

Assim, se no início tinha 120 colaboradores e hoje tem 112, a média será 116.

Agora, é preciso dividir o número de funcionários que deixaram a empresa pela média obtida anteriormente e, depois, multiplicar por 100 para obter a porcentagem final.

De acordo com o exemplo apresentado teríamos:

8/116 = 0,068

0,068 x 100 = índice de 6,8%

O índice de turnover pode variar de acordo com cada empresa, mas, de modo geral, o ideal é que não passe de 1% ao mês e nem seja superior a 10% ao ano.

Ouvir os funcionários é fundamental para reduzir o turnover

Saber ouvir os funcionários é a base para ter uma gestão mais sólida e posicionar a empresa de forma mais competitiva no mercado do qual ela faz parte, reduzindo o índice de turnover. Trata-se de captar as necessidades corporativas diretamente da fonte, chegando a soluções mais embasadas para resolver diferentes situações.

O papel da equipe corporativa vem sendo transformado ao longo das últimas décadas, se antes os funcionários tinham uma função muito mais voltada para a execução de tarefas, atualmente, têm mais voz ativa para ajudar a determinar os rumos que a corporação deve tomar para se posicionar no mercado.

Veja, a seguir, 5 dicas de como estabelecer uma gestão mais participativa, aproveitar as contribuições dos funcionários e, assim, diminuir a rotatividade.

1 – Relacionamento do gestor com a equipe

Para que os colaboradores contribuam mais significativamente para a construção de estratégias relevantes é fundamental estimular um ambiente mais participativo. Isso começa pelo relacionamento instituído entre os membros da equipe e a liderança. O líder deve ter um comportamento que transmita confiança para que os profissionais se exponham dando a sua opinião.

Uma liderança autoritária e que não está aberta para acatar sugestões não pode guiar uma equipe efetivamente participativa. Muitos gestores precisam passar por um processo de desconstrução quanto à sua forma de direcionar suas equipes. Diminuir a distância de relacionamento entre líder e subordinados, sem a perda do respeito de ambas as partes, é crucial para iniciar o processo de aprender a ouvir.

2 – Reuniões de feedback

Líderes realmente preocupados com o sucesso dos seus projetos abrem espaço para dar e receber feedbacks. O ideal é ter conversas individuais com os colaboradores para falar sobre seus desempenhos e reuniões com a equipe. Jamais se deve colocar os colaboradores em situações embaraçosas, discutindo falhas individuais na frente dos demais. Saber determinar quais são os tópicos para abordar a sós e quais abordar em conjunto é crucial para manter a confiança dos seus liderados.

A construção da confiança é muito relevante para que todos se sintam à vontade para dar suas opiniões sinceras a respeito de um determinado tema. O estabelecimento de um diálogo aberto, tanto em reuniões privadas como nas coletivas, estimula os funcionários a manifestarem como se sentem e compartilharem suas ideias.

3 – Redução de hierarquias e burocracias

Você já se perguntou por quantas pessoas e procedimentos um funcionário precisa passar para dar uma sugestão de melhoria para a companhia? Em alguns casos, há tantos chefes com quem falar e processos a cumprir que os colaboradores simplesmente desistem de dar a sua contribuição. Reduzir as distâncias impostas pela extrema hierarquização corporativa e permitir processos mais simples para sugestões pode ajudar a melhorar consideravelmente uma série de processos internos.

Tenha consciência de que boa parte das soluções para aumento de produtividade e eficiência estão na mente dos seus funcionários, mas precisam de uma ajudinha para saírem do campo subjetivo e se tornarem uma realidade. Uma forma de acelerar o processo de sugestões é criar uma caixa de sugestões ou um sistema de formulário online para que os colaboradores registrem suas ideias.

4 – Implementação das sugestões

As dicas anteriores têm um enfoque maior em como criar canais e ambientação para que os funcionários deem suas sugestões e opiniões. Contudo, além de ter como receber essas dicas, é fundamental saber como implementá-las na rotina da companhia. Não há nada mais frustrante para um colaborador do que perceber que todas as suas sugestões não são aproveitadas.

É interessante ter um sistema de acompanhamento e avaliação das sugestões e críticas dadas pelos colaboradores em diferentes instâncias. Os líderes devem dar um feedback para seus liderados a respeito dos motivos para a concretização ou não de uma ideia que eles tenham dado. Nem sempre é possível instituir a sugestão de um funcionário, uma conversa sincera a respeito dos motivos da negativa é interessante para evitar essa sensação de frustração.

5 – Processos de avaliação constantes

Para ter certeza de que esse processo de gestão participativa e controle de turnover está sendo realmente efetivo, é fundamental fazer processos de avaliação constantes. Mensurar quantas ideias dos funcionários foram recebidas e colocadas em prática é relevante para entender como essa prática contribui para o crescimento da companhia. Além disso, é possível que o gestor ainda verifique quais foram os canais mais utilizados para o processo de maneira a fortalecê-lo.

Manter atenção em relação à participação e satisfação dos colaboradores é fundamental para reter talentos e evitar os altos índices de turnover. Agora que já sabe como calcular pode verificar esses números com frequência e adotar medidas para que se mantenham baixos.

Este conteúdo te ajudou de alguma maneira? Deixe seu comentário abaixo e aproveite para compartilhar em suas redes sociais!

 

E aí, curtiu esse conteúdo?

Saiba que ele é apenas a pontinha do iceberg e você pode desenvolver suas habilidades de liderança muito mais. Baixe agora o ebook Leader Coach e aprenda como extrair o máximo resultado da sua equipe.
Preencha o formulário, é de graça.
José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63

This will close in 0 seconds