Como agir na hora de recontratar um colaborador

Duas pessoas apertando as mãos

Saiba como agir no caso de recontratar um colaborador.

A recontratação de funcionários é mais recorrente do que se imagina, esse processo se caracteriza pela readmissão de um profissional desligado previamente. Nos casos em que houve rescisão do contrato de trabalho sem justa causa é possível readmitir o funcionário 90 dias após a data da rescisão. 

Tirando esse detalhe, o processo transcorre de forma convencional. No artigo a seguir iremos explicar para os empregadores como agir no caso de recontratar um colaborador. Vamos começar?

Comece a ter o

Destaque

que você merece!

Preencha os campos abaixo para receber o e-book.

Recontratar um colaborador: no que isso implica?

O departamento de Recursos Humanos das empresas enfrenta uma série de desafios para encontrar os candidatos ideias para as vagas em aberto. Esse é um dos motivos que leva muitas empresas a optar pela recontratação de ex-colaboradores.

Para que essa atitude possa se concretizar é necessário que não haja impeditivo na política da companhia. Isso porque algumas empresas adotam a prática de não recontratar ex-funcionários. 

Não havendo essa política restritiva, é válido fazer uma avaliação criteriosa antes de readmitir o colaborador. Inclusive, recomendamos que o indivíduo em questão passe novamente pelo processo seletivo. Ressaltamos que, embora haja benefícios na readmissão, também há riscos envolvidos. 

Quais são os riscos legais de recontratar um colaborador?

Na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) não existe nenhum impedimento para a recontratação de ex-funcionários. Contudo, o colaborador somente pode ser readmitido 90 dias a partir da data de rescisão, nos casos em que houve rescisão sem justa causa. 

O desligamento é considerado fraudulento quando é seguido de recontratação antes do prazo de 90 dias. Também se considera como fraude o caso do profissional se manter em serviço, informalmente, nesse período de 90 dias. 

A recontratação antes dos 90 dias é irregular devido ao fracionamento do vínculo empregatício. Há ainda a possível fraude ao seguro-desemprego, uma vez que o colaborador demitido sem justa causa pode dar entrada no benefício. 

Outro ponto a que a empresa deve estar atenta é a remuneração. É importante evitar pagar um salário mais baixo do que aquele que o ex-colaborador recebia anteriormente. A dica é consultar o acordo coletivo da categoria a respeito. 

Novo contrato

Ao recontratar um funcionário, a empresa deve agir como se fosse a primeira vez que o indivíduo está sendo contratado. O processo admissional não sofre nenhuma alteração pelo fato de ser uma readmissão. Isso significa que é necessário o exame admissional e o atestado de saúde ocupacional (ASO), demonstrando que o profissional está apto. 

Ainda que nenhuma alteração cadastral tenha acontecido, é obrigatória a entrega dos documentos novamente. O novo contrato de trabalho deve ser registrado numa outra página da CTPS, assim como no livro de funcionários. 

Período de experiência

Ao readmitir um funcionário para a mesma função exercida anteriormente não é necessário que ele passe por um período de experiência. No entanto, ao recontratar para uma função diferente é necessário que haja esse período. 

Atenção ao histórico

Sua empresa tem considerado readmitir ex-funcionários? Se sim, é válido analisar a trajetória profissional do colaborador enquanto ele fez parte dos quadros da companhia.

É insuficiente apenas verificar se ele foi demitido ou se demitiu. Alguns profissionais são demitidos apenas devido ao corte de custos e não por resultados ruins, por exemplo. Faça uma investigação para entender exatamente o motivo da demissão. 

Informe-se a respeito do histórico do profissional para saber se era comprometido, se tinha um bom relacionamento com os colegas. A partir de algumas perguntas básicas é possível concluir se a recontratação se justifica ou não.

A recontratação oferece como vantagem o fato do indivíduo já conhecer o funcionamento da companhia, mas deve ser feita com cuidado. 

Processo seletivo para a recontratação

Mesmo que a análise a respeito do colaborador tenha chegado a respostas positivas sobre seu desempenho, é necessário realizar um novo processo seletivo. Alguns critérios devem ser avaliados com atenção para que a potencial recontratação possa acontecer.

Nesse processo seletivo, é importante conhecer e avaliar os trabalhos realizados pelo ex-funcionário durante seu período desligado da companhia. O gestor deve ainda ficar a par da disponibilidade de retorno e desafios para que isso aconteça. O profissional pode estar contratado por outra empresa, por exemplo.

Nessa possível recontratação, é importante que as atividades que serão realizadas estejam de acordo com as experiências anteriores. O entrevistador deve questionar o ex-funcionário sobre as suas motivações para o retorno. Há casos de profissionais que aceitam voltar por comodismo, apenas para ter um emprego enquanto buscam algo melhor.

Mudanças 

Entender quais são as motivações do candidato é determinante para contratar alguém que irá somar à equipe. Também é essencial compreender como está a vida atual do profissional. Por exemplo, o colaborador que no passado fazia horas extras pode ter se tornado pai e agora não tem mais essa disponibilidade. 

Da mesma forma, o entrevistador deve situar o profissional sobre eventuais mudanças da empresa. Se no período em que ele trabalhou havia um determinado benefício que não existe mais, é necessário comunicá-lo a respeito.

Uma comunicação clara é determinante para que esse processo de retorno seja bem-sucedido. Ambas as partes devem estar cientes do que continua igual e do que mudou.

Reintegração do colaborador

A reintegração do profissional é um fator crucial para o sucesso da empreitada da recontratação. O bom clima organizacional deve ser mantido acima de tudo. O funcionário readmitido deve ser apresentado à situação atual da empresa e especialmente do seu setor.

Os colegas podem não ser os mesmos da sua época ou então um subordinado do passado pode ser líder de equipe agora. Essa integração à nova situação é essencial para evitar desconfortos e desentendimentos.

O ex-funcionário recontratado deve ser tratado como um novo colaborador e precisa entender que é esse o seu papel. As informações mais importantes devem ser transmitidas a ele, pois não é porque ele já atuou na companhia que sabe de tudo.

Cuidados relevantes

Alguns ex-funcionários podem ter ressentimentos devido a desentendimentos com colegas ou por não terem conseguido uma promoção, por exemplo. Dessa forma, nesse processo de recontratação, é necessário analisar esse histórico e deixar bem claras as perspectivas. 

O gestor deve entender de que forma essa recontratação vai impactar a equipe. Se o profissional em questão tinha um relacionamento ruim com seus colegas, pode desestabilizar o clima organizacional ao retornar. O ideal é conversar também com a equipe antes de efetivar essa recontratação.

Com essas dicas é possível considerar a recontratação de ex-funcionários. Você já teve alguma experiência nesse sentido, comente abaixo!

E aí, curtiu esse conteúdo?

Saiba que ele é apenas a pontinha do iceberg e você pode desenvolver suas habilidades de liderança muito mais. Baixe agora o ebook Leader Coach e aprenda como extrair o máximo resultado da sua equipe.
Preencha o formulário, é de graça.
José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63