O que é remuneração funcional e como pode ser aplicada na sua gestão

Homem no trabalho

Conheça o conceito de remuneração funcional.

Tão importante quanto contratar um profissional qualificado para a sua empresa é definir como será a remuneração desse indivíduo. Uma forma de remuneração é a funcional. O nome pode não soar tão familiar para você, mas essa é uma das formas de remuneração mais tradicionais que existem.

Neste artigo, você vai compreender o que é a remuneração funcional, quais são os benefícios que ela oferece, bem como algumas dicas para oferecer aos seus colaboradores uma remuneração adequada. Ficou interessado? Então, siga conosco e acompanhe-nos na leitura a seguir!

Preencha AGORA o formulário para descobrir!

O que é a remuneração funcional?

A remuneração funcional é feita de acordo com os cargos que os colaboradores assumirão dentro da organização. Com base na remuneração praticada no mercado de trabalho e nas condições financeiras da empresa, é possível definir os parâmetros de avaliação para remuneração.

Assim, as remunerações são justas e igualitárias. Para definir essa remuneração de maneira funcional é preciso seguir algumas etapas importantes. São elas:

  • Diagnóstico da organização;
  • Planejamento;
  • Levantamento de atividades;
  • Descrição e avaliação dos cargos;
  • Criação de políticas salariais.

Seguindo essas etapas, o empreendedor conseguirá acompanhar a sua situação financeira e definir quanto pode oferecer aos seus colaboradores, de acordo com as atividades desempenhadas e com o cargo que ocupam.

Quais são as vantagens de implantar a remuneração funcional na organização?

Uma das principais vantagens é que este modelo de remuneração contribui positivamente com o planejamento financeiro da empresa. Além disso, a remuneração funcional:

  • Garante a igualdade de direitos e deveres entre os colaboradores;
  • Define com clareza para o colaborador quais são as expectativas que a empresa tem diante daquele cargo;
  • Confere ao processo de montagem da folha de pagamento maior agilidade e fluidez.

É importante destacar que a remuneração funcional contribui para que a empresa tenha uma visão atualizada sobre o mercado em que está inserido, além de outros aspectos, como: remuneração praticada pelo mercado, sistemas de gestão, ferramentas utilizadas para desenvolver tarefas e competências profissionais exigidas.

É graças a essa visão que o gestor conduz a sua gestão com flexibilidade, inovação e sinergia. Vale destacar, ainda, que a remuneração funcional é conhecida também como Plano de Cargos e Salários.

6 aspectos que devem ser levados em consideração ao definir a remuneração dos colaboradores

Confira, na sequência, 6 itens que toda empresa precisa considerar para desenvolver um plano de remuneração verdadeiramente funcional e capaz de despertar a motivação e a produtividade das equipes.

1. Situação financeira da empresa

Em primeiro lugar, conforme inclusive já citamos aqui neste artigo, é fundamental levar em consideração a situação financeira da empresa. Não adianta prometer 5 mil reais a todos os colaboradores, sendo que o seu caixa só permite que cada um receba 3 mil. É importante ser realista, de modo a não comprometer a sua situação financeira. É melhor pagar um pouco menos no início do que correr um risco elevado, ir à falência e prejudicar de verdade quem depende de você. Seja consciente e responsável!

2. Valores praticados pelo mercado

Tendo resolvido a questão da sua própria situação financeira, o segundo passo é verificar quanto as outras empresas estão pagando para os profissionais que ocupam os cargos que você pretende abrir. Para que a sua pesquisa seja justa, faça essa consulta de valores com base em empresas da sua região e, de preferência, do seu porte. Essa ressalva é importante, considerando que empresas de maior porte, localizadas em capitais, por exemplo, pagam mais do que empresas pequenas no interior.

3. Exigências da vaga

Toda vaga de emprego tem algumas exigências. Por isso, antes de definir uma remuneração justa, você deve verificar o que está cobrando dos candidatos. Essas exigências podem incluir um grau de escolaridade mínimo, uma graduação determinada, o conhecimento sobre um programa de computação, o domínio de outros idiomas, e por aí vai. Naturalmente, quanto mais complexas forem as exigências, maiores deverão ser os salários. Mantenha o equilíbrio nesse sentido.

4. Nível do cargo

Além das exigências, também é preciso considerar o nível do cargo e a experiência que ele demanda dos candidatos. Em geral, as empresas criam cargos do tipo: estagiário, assistente, analista junior, analista pleno, analista sênior, coordenador, diretor, vice-presidente, presidente etc. É natural que a remuneração cresça, conforme a pessoa evolua na escala hierárquica dos cargos. Além disso, posições de liderança, devido à responsabilidade por outras pessoas, tendem a oferecer maiores salários.

5. Benefícios e remunerações variáveis

A remuneração quase sempre é tomada como um sinônimo de salário. No entanto, ela também precisa incluir as comissões por vendas, os bônus por bons desempenhos, as horas extras, enfim, tudo o que for adicional, conforme a performance do colaborador. Assim, defina as regras sobre essas questões. Além do mais, alguns regimes de contratação também incluem o oferecimento de benefícios, como vale-transporte, vale-refeição, 13º salário, férias, FGTS, convênio médico e odontológico, auxílio-educação etc.

6. Planos de carreira

Por fim, outro aspecto que é importantíssimo para a motivação de qualquer colaborador é saber se e quando ele pode ser promovido, de acordo com a escala hierárquica da organização. Para isso, também é primordial que o empreendedor defina as regras, os cargos, as faixas salariais e o que o colaborador deve fazer para obter uma promoção. Definir as normas deixa a dinâmica de trabalho mais justa, ao mesmo tempo em que desperta o ânimo e a motivação de todos para progredir.

Concluindo, o processo de definição da remuneração dos colaboradores é muito importante para garantir a sua motivação e a qualidade do trabalho executado. Nesse sentido, a remuneração funcional, por meio do plano de cargos e salários, possibilita que resultados extraordinários sejam alcançados!

E você, ser de luz, acredita que a remuneração funcional seja realmente eficaz e segura? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.

Copyright: 308930726 everything possible https://www.shutterstock.com/pt/g/everythingpossible

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63