A Importância da Autoavaliação Profissional

Autoavaliação Profissional

Saiba a importância da Autoavaliação Profissional

 

Uma autoavaliação é um exercício essencial, não importando em qual área você trabalha. Conhecer quais são os seus erros e acertos, o que você faz de melhor e aquilo que você tem dificuldades, o que existe em você e que ainda pode florescer irá dar uma visão ampliada a respeito de si mesmo.

Amplie a visão sobre si mesmo

Fazer uma reflexão a respeito de si mesmo é uma ação válida em diversos aspectos da vida, pois você vai descobrir como que está lidando com relacionamentos, estudos, sua posição no mundo e principalmente com o seu lado profissional. Lembre-se de que saber onde está é o início da jornada que levará aonde você quer chegar.

Além de ser um trabalho motivador, a autoavaliação é resultado de um autoconhecimento obtido com sucesso que dará munição contra a falta de motivação. Isso é possível, pois ao se conhecer, você entende como sua mente funciona, o que impulsiona, o que faz infeliz, quais são os pontos da sua vida que devem ser aprimorados e ainda evitará cometer os mesmos erros do passado, proporcionando a si mesmo um futuro mais sólido, saudável e assertivo.

Quais são os benefícios da autoavaliação profissional

Quando se trata de autoavaliação profissional, essa reflexão se torna ainda mais necessária, pois você poderá identificar em que ponto sua carreira está, se há satisfação no exercício das atividades, o que tem feito de certo e de errado no ambiente corporativo e muitas outras dúvidas que, em um momento ou outro, acabam batendo à porta de todo profissional.

Por essa atividade ser benéfica para os profissionais, a área de recursos humanos das empresas podem pedir que cada colaborador faça uma autoavaliação, podendo até mesmo passá-la aos superiores para que eles façam a sua própria análise do desempenho de seus funcionários, baseando-se na avaliação que eles fizeram deles mesmos. Dessa maneira, os gerentes das equipes conseguirão entender quais são as motivações de seu pessoal, assim como as dificuldades que eles enfrentam.

É importante lembrar que o profissional não será demitido se apresentar uma avaliação com resultados fracos, mas será condicionado a procurar saber o porquê desses resultados e então mudar o que está errado. Só assim, ele poderá crescerá profissionalmente e a empresa se beneficiar com essa evolução. Com certeza, uma equipe que passa por autoavaliação é mais motivada e produtiva.

Caso sua empresa decida implantar a autoavaliação ou já o faça, saiba que esse é um lugar em que os superiores se importam não apenas com o desempenho dos colaboradores, mas com a motivação, problemas e dificuldades que os assolam.

Ser coerente com a realidade

Neste tópico, não me refiro à falta de sinceridade, mas sim aos exageros cometidos pela nossa falta percepção de nós mesmos. Esse é um dos grandes problemas que atinge os profissionais, ora deixando-os super confiantes e vaidosos, ora deixando-os com um sentimento de incapacidade.

É preciso se livrar de qualquer imagem sobre si mesmo e focar-se no seu desempenho, não mais que isso. Depois que você ver o quanto foi produzido, então tentará achar a causa de tal resultado.

Derrubando o muro

É quase impossível ser imparcial, mas é necessário. Isto acontece porque nós carregamos aqueles comentários feitos por alguém numa época longínqua, alguém que nem o conhecia direito, mas que de uma forma o afetou. Acontece porque carregamos dentro de nós experiências mal sucedidas e frustrações, acontecimentos que são difíceis de esquecer e que nos faz construir um muro psicológico que só nos deixa presos e impedidos de ver a realidade.

Devemos derrubar esse muro para finalmente vermos a vida sob outra perspectiva e livres de quaisquer interferências que as pessoas e os fatos passados pudessem nos atrapalhar. Nós precisamos derrubar esse muro. Só assim poderemos ver os nossos acertos e identificar os nossos erros, sem nos abater com isto.

Como fazer sua autoavaliação

O primeiro quesito que você tem que ter nessa avaliação é ser sincero, pois mentir não levará a lugar nenhum. Cedo ou tarde, a falta de verdade não conseguirá mais se sustentar. Fazer uma autoavaliação não é uma tarefa fácil, principalmente se você nunca teve esse costume antes, ou até mesmo se tem dificuldades em olhar para si mesmo. Para começar, é necessário que você faça uma profunda reflexão sobre o seu lado profissional, analisando onde começou, onde está e aonde quer chegar. Para isso, é necessário pegar um papel e uma caneta e se fazer as próximas 5 perguntas. Confira

     1. O que eu faço de melhor?

Identifique quais são as qualidades profissionais que você tem, sejam elas relacionadas à sua carreira ou não. Por exemplo, você trabalha com contabilidade, mas tem facilidade para escrever e o faz bem. Que tal usar essa habilidade ao seu favor em seu ambiente de trabalho? Ao identificar o que você faz de melhor, você poderá explorar essas virtudes e usá-las para ter um maior desempenho dentro de sua empresa e na vida profissional em geral.

      2. Qual é a minha melhor característica?

Saindo um pouco da parte profissional, é necessário reconhecer qual é sua melhor característica pessoal. Pode ser organização, gentileza, liderança… Ao saber o que destaca você das demais pessoas, já terá meio caminho andado para que você explore o que tem de melhor e use isso para melhorar a qualidade de vida dos colegas que trabalham com você.

     3. Quais são meus defeitos?

A autocrítica é algo difícil, pois muitas pessoas têm dificuldades sérias em reconhecerem seus pontos que não são tão bons assim. Porém, é fundamental saber quais são seus defeitos, não para se sentir diminuído, e sim, para entender quais são os pontos que você precisa melhorar, pois eles podem ser exatamente o que está atrapalhando o seu desenvolvimento e o seu relacionamento com seus colegas. Eles podem ser as famosas características sabotadoras. Ninguém merece isso no dia a dia, não é mesmo?

    4.Quais são minhas dificuldades e bloqueios?

Pare e pense: quais são as suas maiores dificuldades do cotidiano? Podem ser as coisas simples, como incapacidade de acordar cedo ou até mesmo uma timidez que impede você de se impor em certas situações. Suas dificuldades não são necessariamente defeitos, porém, devem ser igualmente trabalhadas. Lembre-se de que o primeiro passo para a mudança é reconhecer o que precisa ser mudado! Ao saber essa informação, seu gerente ou outro superior poderá ajudar com esse ponto, fazendo com que você tenha um desempenho maior dentro da corporação.

    5. O que eu busco na vida profissional?

Nesse momento é importante avaliar o que você quer para sua carreira. Você busca por um lugar estável que proporciona um salário bom? Ou prefere um emprego que dá oportunidade de viajar sempre sem rotina definida? Pretende ser um executivo com um cargo alto ou visa gerenciar uma pequena equipe? É importante estar em um lugar que permite que você tenha tempo para a família e amigos? Além disso, é importante que colocar o que faz você ir trabalhar todos os dias. É a oportunidade de ter um cargo melhor? É a chance de ganhar mais para ter sua casa própria? É o modo de adquirir mais conhecimento?

Com todas essas questões respondidas, basta avaliar: o local que você está irá proporcionar isso que você busca? Se a resposta for sim, então você precisa estipular metas que o irão ajudar a alcançar o que deseja. Se for não, então não seria a hora de pensar em outro lugar para trabalhar? Vale lembrar que essa autoavaliação servirá não apenas como um material ao seu trabalho, mas como também algo que vai mostrar o momento que você está em sua vida, dando a oportunidade de se conhecer melhor e estabelecer aonde quer chegar.

O coaching como agente transformador

Nada como ter uma ajuda especializada para fazer uma autoavaliação profissional, não é mesmo? No Instituto Brasileiro de Coaching (IBC) há a formação Professional & Self Coaching (PSC), que ajuda o indivíduo profundamente nesse quesito e em muitos outros. São 180 horas de profunda imersão em novos conhecimentos com aulas práticas, teóricas e dinâmicas. Durante o PSC o coachee (aluno), no caso você, irá aprender o que é e como exercitar o autoconhecimento, o autodesenvolvimento e a inteligência emocional; a história e evolução do coaching; bases, conceitos e fundamentos do coaching; quais são os princípios da programação neurolinguística e psicologia positiva; os principais pontos do código de ética; quais são as crenças limitadoras e como acabar com elas; quais as melhores práticas relacionadas à liderança; o que são processos de identidade; o que é aprendizagem acelerativa; e muito mais!

Após completar o curso, você terá 6 certificações: Life Coach, Professional, Extensão Universitária (reconhecimento acadêmico das Faculdades Monteiro Lobato, do Rio Grande do Sul), Analista Comportamental, Leader e Self Coach. Também terá a certificação e o reconhecimento internacional de 5 renomados institutos de coaching internacionais, que são: Internacional Association of Coaching, Global Coaching Community, European Coaching Association, International Coaching Council e Behavioral Coaching Institute.  

E você, já fez sua autoavaliação? Aproveite hoje mesmo para fazer a sua e ter um conhecimento maior de quem você é!

Copyright: 725090125 – https://www.shutterstock.com/pt/g/leowolfert

 

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.
Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010