Plano de Continuidade de Negócios – O que é e qual a sua função?

mão masculina desenhando a silhueta de um homem fazendo um gesto de parada para evitar o colapso dos dominós de madeira.

Veja como elaborar o Plano de Continuidade de Negócios (PCN).

O Plano de Continuidade de Negócios (PCN) é fundamental para empresas de todos os portes que trabalham com grande volume de dados. Esse processo é crucial para que o empreendimento se mantenha operacional, mesmo após passar por interrupções ou incidentes nos negócios.

Quer entender o que é esse plano e qual a sua função no contexto corporativo? Continue a leitura!

Preencha AGORA o formulário para descobrir!

O que é o Plano de Continuidade de Negócios (PCN)?

Basicamente, o Plano de Continuidade de Negócios é um processo que permite um nível de operacionalidade suficiente para uma empresa continuar funcionando após incidentes ou interrupções.

Para que fique mais claro, daremos um exemplo prático: imagine que uma empresa X teve seu sistema invadido por hackers que tomaram seus dados. Se houver um PCN, o negócio poderá continuar operando em nível suficiente até que tudo se normalize.

Os gestores devem ter em mente que instalações, equipamentos, colaboradores, informações e sistemas podem ficar indisponíveis. Caso isso ocorra, há uma forma de manter minimamente a operacionalidade?

O PCN pode ser entendido também como um plano emergencial para a prevenção de desastres. Quando uma organização está preparada para agir diante de uma situação caótica, fica menos exposta aos efeitos da crise. Ter planos de ação diante de uma potencial paralisação é determinante para continuar operando, mesmo em uma situação crítica.

Em suma, o Plano de Continuidade de Negócios refere-se à prevenção e ao planejamento mediante incidentes e ocorrências que podem impactar a operacionalidade. Trata-se de um plano em que está reunido um conjunto de ações e procedimentos para gerenciar crises. As estratégias são desenvolvidas com caráter preventivo.

Função do Plano de Continuidade de Negócios

O Plano de Continuidade de Negócios nada mais é do que um plano de prevenção, em especial no âmbito de TI (Tecnologia da Informação). Trata-se de um plano cuja função principal é minimizar os impactos negativos de situações limitantes. Através dessa medida administrativa, é possível aos gestores manter a empresa operando mesmo com recursos indisponíveis.

O objetivo principal do PCN é assegurar que os sistemas críticos de uma companhia voltem a operar regularmente em um prazo aceitável, após a ocorrência de incidentes de segurança. Ainda que a empresa esteja em uma situação emergencial, conseguirá manter seus interesses, reputação e imagem devidamente preservados.

Para que esse plano cumpra a sua função é fundamental que seja elaborado de acordo com as necessidades específicas da empresa e dos clientes. É importante que a elaboração desse plano responda a perguntas pertinentes a respeito de riscos e ameaças. Identificar os processos críticos para o norteamento do empreendimento é outro ponto determinante.

Como elaborar o Plano de Continuidade de Negócios (PCN)?

Empresas de todos os portes que lidam com dados devem ter o seu Plano de Continuidade de Negócios. No momento de elaborá-lo, é importante ter em mente que se trata de um processo de orientação.

Nesse plano, são definidas as ações que precisam ser executadas e o momento em que devem ser realizadas. O objetivo é que a empresa se mantenha minimamente operante em uma situação de crise.

O plano precisa ser pensado para responder adequadamente ao incidente, mantendo os negócios da companhia salvaguardados. Exatamente por isso, o PCN deve compor a governança corporativa com base nas melhores estratégias de gestão interna. Para elaborá-lo é necessário que o responsável leve em consideração três questões cruciais:

1 – Análise de risco

Liste as principais ameaças à infraestrutura de TI da sua empresa.

2 – Análise de impacto

Liste de que forma as ameaças podem causar impactos ao seu empreendimento.

3 – Planejamento estratégico

Se uma ameaça se concretizar, quais são as ações necessárias para retomar a operacionalidade?

Planejamento de ações

Tendo respondido a essas três questões, é possível elaborar um PCN adequado à sua empresa. A partir dessas respostas, é possível detalhar as ações que serão tomadas no caso de uma interrupção na operacionalidade corporativa.

Política corporativa

Para que o PCN seja completo, é importante que ele contenha também a declaração de política da empresa diante do incidente.

Objetivo

O objetivo das ações que serão tomadas deve estar claro na elaboração desse plano.

Mapeamento

O PCN deve contar com um mapeamento de potenciais cenários de perda, de maneira a ter informações sobre análise, identificação e avaliação de riscos.

Atribuição de responsabilidades

Mais do que listar as ações, o PCN precisa apresentar quem serão os responsáveis por cada uma delas. Todos necessitam saber a quem cabe cada passo e decisão. Os deveres têm que ser corretamente distribuídos entre os profissionais da equipe.

Roteiro de simulação

Para que o PCN seja colocado corretamente em prática, é importante que seja elaborado um roteiro de simulação. Trata-se, basicamente, de uma lista em que é explicada aos participantes como devem agir. Consiste em instruções sobre como usar o plano e como ativá-lo.

Quais são os benefícios de adotar o Plano de Continuidade de Negócios (PCN)?

Quando um incidente ocorre, é difícil nortear as ações mais importantes em decorrência do choque e do inesperado da situação. No entanto, se a empresa já projetou esse cenário e tem um plano de ação, tudo fica bem mais simples.

Dessa forma, a grande vantagem do plano é exatamente preparar a empresa e seus colaboradores para não perderem tempo diante de um incidente. Quanto mais rápido se age para remediar os problemas decorrentes do incidente, mais rápido se recupera a operacionalidade.

Mantendo a empresa minimamente operacional, é possível se ocupar da resolução por completo. É bem mais complicado administrar um problema e as reclamações dos clientes insatisfeitos pela interrupção do atendimento.

Além disso, durante a elaboração do PCN, os gestores se fazem diversas perguntas que aumentam seu conhecimento sobre o empreendimento. Essas respostas permitem conhecer a estrutura com mais clareza.

Ter um plano para contingências é muito positivo e ainda mais interessante quando permite prever eventuais situações problemáticas, assim, é possível se antecipar a elas e agir rapidamente.

O Plano de Continuidade de Negócios (PCN) é muito importante para a operacionalidade das empresas! Deixe seu comentário sobre o assunto abaixo e compartilhe o conteúdo em suas redes sociais!

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.
José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63

This will close in 0 seconds