Entenda a diferença entre Shareholders e Stakeholders

Grupo de pessoas em uma sala de reunião

Confira as diferenças entre Shareholders e Stakeholders.

As palavras Shareholders e Stakeholders podem até soar parecidas, no entanto, guardam diferenças significativas. No tocante à gestão de pessoas, é crucial saber o que cada conceito significa. Continue a ler esse artigo para entender melhor quais são as principais diferenças entre os dois termos e como eles são relevantes para sua empresa. 

Preencha AGORA o formulário para descobrir!

O que são Shareholder?

A palavra Shareholder vem do inglês e significa “acionista”, isto é, uma pessoa que possui pelo menos uma ação da companhia. Em geral, os shareholders são investidores da organização.

A palavra “share” em inglês pode ser traduzida como “parte” ou “compartilhar”, dependendo do contexto. Já “holder” significa “suporte” ou “algo que segura outra coisa”. Dessa forma, shareholder significa aquele que possui uma parte, ou seja, o acionista.

Para que fique mais claro, imagine que um amigo lhe propõe um negócio em sociedade. Nesse empreendimento, vocês irão dividir as responsabilidades meio a meio. Você aceita a proposta e ambos iniciam os trabalhos para construir o empreendimento.

Para começar essa empresa, é necessário investir cerca de R$ 1.000,00. Assim, você deverá investir R$ 500,00 e seu amigo R$ 500,00. Logo, você e ele são sócios desse empreendimento e, dessa forma, se tornam shareholders ou acionistas. Caso a empresa gere lucros, haverá uma divisão meio a meio entre vocês.

Claro que esse é um exemplo bem simples, serve apenas para explicar sobre a figura do shareholder. Se a empresa fictícia gerasse prejuízo e não lucros, também haveria uma divisão meio a meio. Nesse caso, do prejuízo da organização. 

O que é Stakeholder?

O stakeholder é uma parte interessada ou que realiza algum tipo de intervenção na companhia. Trata-se de um termo bastante aplicado na gestão de projetos, especialmente no planejamento estratégico das organizações e até do governo. 

Para que uma empresa tenha sucesso no mercado, precisa da convergência e do trabalho coletivo de todas as partes interessadas. Contudo, devemos ressaltar que nem sempre o stakeholder precisa ter investimentos monetários na companhia.

A organização de uma empresa demanda compreender quem são os stakeholders ou as partes interessadas. Ainda que o envolvimento deles não maximize os processos da organização, permite que haja o equilíbrio de forças. Dessa forma, é possível evitar riscos e impactos ao sucesso do empreendimento. 

Para que fique mais claro, vamos retomar o exemplo que demos acima, do amigo que te propõe um negócio em sociedade. O empreendimento está indo muito bem no mercado e surge a necessidade de ampliar as instalações. Além disso, se torna necessário contratar mais um colaborador.

Esse indivíduo não irá investir dinheiro na empresa, logo, não será um stakeholder ou acionista. Caso o negócio tenha prejuízo, esse indivíduo não irá arcar com o mesmo. Se houver lucros, também não vai usufruir deles se não houver um programa de participação nos resultados. 

Esse indivíduo contratado que não investiu dinheiro é um stakeholder, ou seja, uma parte envolvida que não é um acionista. É do interesse desse colaborador que a empresa apresente bom desempenho no mercado para que consiga cumprir as suas obrigações. Se a empresa se mantiver próspera, o colaborador seguirá tendo um emprego, caso contrário não terá uma colocação.

Shareholders e Stakeholders: como influencia a gestão de pessoas?

Shareholder é alguém que possui uma parte do empreendimento e stakeholder é alguém que faz parte do empreendimento, mas não como acionista. Entendendo essa diferença, é possível trabalhar de forma mais estratégica do ponto de vista de gestão do negócio. Com um trabalho mais bem arquitetado, é possível amplificar os resultados positivos da sua empresa. 

O gestor que entende essa diferença entre os conceitos, compreende que precisa olhar tanto para o benefício econômico (shareholders) quanto o benefício social (stakeholders). Para entender melhor essa relação, vamos retomar o exemplo da empresa em sociedade entre você e seu amigo.

Imagine que você e seu sócio chegaram à conclusão de que precisam transferir o colaborador contratado para o horário noturno. No entanto, a companheira dele também trabalha em horário noturno e eles têm um filho pequeno. Logo, a dinâmica familiar do funcionário é a de trabalhar durante o dia e cuidar do filho à noite, enquanto a esposa vai trabalhar. 

É um exemplo do clássico conflito entre shareholder/acionista (você e seu amigo) e stakeholder/parte interessada (a companheira do funcionário). Algumas consequências podem vir dessa mudança de horário. O colaborador pode passar a render menos porque estará preocupado com o filho. O casamento do funcionário pode ficar abalado e isso gerar queda de rendimento.

Outra possibilidade é que um dos pais precise pedir demissão para poder cuidar do filho durante a jornada de trabalho do outro. A renda familiar irá cair, gerando mais preocupações para o colaborador. Obviamente, são exemplos meramente ilustrativos, contudo, é possível observar que essas relações irão gerar impactos para o negócio. 

Gestão de pessoas: vencendo os desafios

O grande desafio que há para a gestão de pessoas é conseguir conciliar os interesses de todas as partes, mantendo a empresa sustentável. O gestor precisa olhar para o empreendimento de um ponto de vista estratégico tanto no âmbito econômico quanto social. Levar em conta os interesses dos stakeholders permite para os shareholders delinear uma sequência de ações estratégicas mais relevantes, atendendo as necessidades de todos.

Se existe conflito entre shareholders e stakeholders quem perde é a empresa, pois há prejuízos de todas as partes. O ideal é buscar manter uma gestão equilibrada entre os interesses desses dois grupos, não favorecendo apenas um deles. Ainda que o objetivo central de todo negócio seja gerar lucro, também é importante que cumpra a sua função social.

Realizar pesquisas de opinião de tempos em tempos e estar aberto para ouvir o que os seus colaboradores têm a dizer é essencial para manter o empreendimento em crescimento. Shareholders e stakeholders têm papéis muito importantes para a construção da imagem e do bom andamento da companhia. Todas as partes relacionadas ao empreendimento importam.  

Agora você já sabe quais são as diferenças entre shareholders e stakeholders! Aproveite para comentar o assunto abaixo e compartilhar o conteúdo em suas redes sociais para passar a informação adiante!

O artigo é bom, né?

No IBC é assim, não custa nada evoluir e alcançar resultados extraordinários. Se você quer seguir por esse caminho de evolução é só baixar o nosso e-book gratuito,
Tudo sobre Coaching. Preencha o formulário abaixo com seus dados para ler.
José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010