Como gerenciar as emoções no ambiente de trabalho

Mulher estressada no trabalho

O gerenciamento de suas emoções no trabalho é essencial para que a sua imagem seja bem vista.

Embora a construção do currículo perfeito, o desenvolvimento de habilidades técnicas e o aperfeiçoamento constante sejam itens fundamentais para o sucesso da carreira de qualquer profissional, também é necessário que o indivíduo tenha domínio sobre as suas atitudes no ambiente de trabalho.

As emoções fazem parte do ser humano, e separar a bagagem pessoal da vida profissional é um verdadeiro desafio para qualquer indivíduo. Porém, é possível administrar as emoções de modo que elas não afetem negativamente a convivência no trabalho e as relações pessoais. Para compreender como isso é possível, continue a leitura deste artigo!

Qual o melhor caminho para a felicidade?

Preencha AGORA o formulário para descobrir!

O que são as emoções?

As emoções são reações orgânicas aos acontecimentos da vida, envolvendo manifestações físicas e psíquicas. Elas têm o objetivo de fazer com que possamos reagir aos estímulos externos de forma apropriada. O medo, por exemplo, é uma emoção que nos leva a ter mais cautela diante de um animal selvagem.

As emoções estão diretamente associadas à personalidade, ao temperamento, à motivação e à experiência de vida de cada pessoa. Elas são responsáveis por tomadas de decisão rápidas, o que pode ocorrer sem avaliação prévia do assunto ou circunstância. Além disso, elas envolvem reações biológicas — como alterações na frequência cardíaca, na tonicidade muscular e no rubor da pele.

As emoções não podem ser controladas. Aquilo que sentimos não depende de nós. No entanto, as nossas atitudes em relação ao que sentimos estão, sim, sob a nossa responsabilidade. É por isso que os psicólogos afirmam que não podemos controlar as nossas emoções, mas podemos administrá-las por meio de atitudes saudáveis. Isso deve ocorrer tanto na vida pessoal quanto na vida profissional.

Gerenciando as emoções no trabalho

Gerenciar as emoções é fundamental para levar uma vida equilibrada e harmoniosa. Saber reconhecer as próprias emoções e as das outras pessoas, administrando as relações a partir dos sentimentos, permite a construção de conexões satisfatórias. Essa habilidade é essencial no ambiente organizacional e para a manutenção dos vínculos profissionais.

Apesar de todas as dificuldades enfrentadas no ambiente corporativo, para atingir metas e gerar resultados positivos, é importante tolerar as frustrações e aceitar tudo aquilo que foge do seu controle.

Quando você se sentir injustiçado, ameaçado ou provocado, por exemplo, tente entender a situação pela visão do outro, colocando-se fora da situação. Essa atitude fará com que você consiga administrar as suas emoções dentro do ambiente corporativo, conseguindo “esfriar a cabeça” e refletir antes de tomar qualquer decisão.

Você sabia que os sentimentos influenciam na produtividade?
Faça o nosso teste e descubra qual o seu nível de felicidade!

8 passos para gerenciar as suas emoções no trabalho

Administrar as emoções não é uma tarefa fácil, mas pode ser plenamente realizada, desde que o indivíduo se comprometa a acolher e compreender os seus sentimentos, procurando agir da melhor maneira possível.

1º passo: assuma a responsabilidade pela emoção que sente

Não queira lutar contra os seus sentimentos. Como citamos anteriormente, não podemos controlar as nossas emoções. No entanto, o que podemos fazer é entender por que elas ocorrem e como podemos agir para torná-las mais positivas. Em que momentos você se sente deprimido, estressado, ansioso ou desmotivado no trabalho? O que você pode fazer para mudar esse cenário?

2º passo: fale sobre a situação de maneira clara e sem se alterar

Se você tiver algum problema com alguém no seu ambiente de trabalho, respire fundo e proponha uma conversa franca e educada com a pessoa. Explique o seu ponto de vista, citando quais atitudes desencadearam quais emoções. Para que a pessoa possa melhorar, ela tem o direito de entender como ela fez você se sentir. Da mesma maneira, ouça o que ela tem a dizer.

3º passo: entenda que as pessoas são diferentes umas das outras

Não queira que as pessoas sintam, pensem, falem e ajam da mesma maneira que você. Cada indivíduo é único, sendo resultado de sua genética, do ambiente em que vive, dos acontecimentos de sua vida, dos traços de sua personalidade, dos seus valores pessoais, de sua cultura, entre outros aspectos. Entender que as pessoas não são iguais, mas que todas devem ser respeitadas, é o primeiro passo para lidar adequadamente com as suas emoções e com as emoções do outro.

4º passo: faça mudanças na sua rotina quando necessário

Se você está tendo problemas de relacionamento com alguém, converse com a pessoa. Se há algo na rotina da sua empresa que está prejudicando a sua saúde mental, leve a sua consideração ao seu chefe. Se há trabalhos seus que estão te deixando muito nervoso ou preocupado, verifique se não é possível encontrar atividades mais compatíveis com a sua personalidade.

Não é saudável que uma pessoa tímida seja obrigada a conduzir uma reunião, certo? Portanto, respeite quem você é e mude o que for preciso.

5º passo: busque a cooperação, visando a mudanças nos outros e em você

Conversar com o outro pode ajudá-lo a identificar os aspectos em que ele pode melhorar. No entanto, lembre-se de que a administração das suas emoções depende primeiramente de você. Aceite que haverá dias difíceis, em que você se sentirá deprimido, desvalorizado, triste, irritado, nervoso ou ansioso. No entanto, certifique-se de que esses dias sejam exceções, e não regras. Faça o que for possível para relacionar-se bem com as pessoas ao seu redor.

6º passo: proponha novas alternativas de relacionamento para que a situação não volte a acontecer

Se houve um problema de relacionamento, converse com a pessoa envolvida. Se a conversa não surtiu um bom resultado, respeite a opinião da pessoa e tente evitar o contato com ela. Se duas pessoas são muito diferentes entre si e não conseguem chegar a um consenso, é melhor que elas se afastem.

7º passo: defenda os seus interesses sem ofender o outro

É importante lembrar que, por mais que você deva se esforçar para conviver bem com todos no seu ambiente de trabalho, você jamais deve descuidar-se de si mesmo. Assim, não negligencie os seus interesses apenas para fugir dos conflitos. É preciso que você saiba defender o que você pensa e proteger a si mesmo. Isso não é egoísmo, mas amor próprio. Ao proteger os seus objetivos, porém, você não precisa ser agressivo, nem ofender ninguém.

8º passo: invista nas técnicas de redução de estresse

Se o seu dia a dia está muito estressante, invista em técnicas de relaxamento. Massagens, banhos quentes ao fim do dia, prática regular de exercícios físicos e meditação são excelentes aliados da redução do estresse e da ansiedade. Além disso, não se esqueça dos seus hobbies.

Se você curte dançar, cantar, tocar um instrumento musical, pintar, ler, escrever, costurar, cozinhar, cuidar das plantas, brincar com os animais ou praticar algum esporte, aproveite, pois essas atividades beneficiam a saúde mental.

Por fim, lembre-se sempre de que, se a sua saúde mental estiver prejudicada, seja por sintomas de depressão, de estresse, de ansiedade, de instabilidade emocional ou de problemas de relacionamento no ambiente de trabalho, é importante consultar um profissional. Psicólogos são especialistas em ajudar as pessoas que passam por esse tipo de problema, por meio da reflexão e da adoção de novos hábitos.

Este artigo foi interessante para você? Então, deixe a sua opinião no espaço abaixo. Além disso, compartilhe este texto com todos os seus amigos, colegas e familiares. Publique-o em suas redes sociais para levar esta reflexão a quem mais possa se beneficiar do seu conteúdo!

Imagem: cunaplus / Shutterstock

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010