3M’s, Muda, Mura e Muri: o que são e como lidar?

Equipe fazendo um planejamento

Saiba como lidar com os 3 M’s (Muda, Mura e Muri).

Você já ouviu falar sobre o conceito dos 3 M’s (Muda, Mura e Muri)? Basicamente, diz respeito aos 3 tópicos indesejáveis em uma organização. Os três se relacionam intimamente com os princípios do pensamento enxuto. Para que as empresas sejam mais lucrativas, é importante que as falhas e inconsistências na cadeia produtiva sejam resolvidas e eliminadas.

Os processos devem ser realizados de forma a evitar desperdícios, com equilíbrio e sem sobrecargas. Essa metodologia de gestão contribui para potencializar as vantagens competitivas das empresas. No artigo a seguir iremos explicar o que são esses três M’s e como lidar com eles. 

3 M’s (Muda, Mura e Muri): o que são?

Basicamente, os 3 M’s (Muda, Mura e Muri) são inconsistências e desperdícios encontrados em uma empresa. Os termos são originários do idioma japonês e têm maior representatividade na sua língua original do que na tradução. Confira a seguir os significados desses 3 M’s. 

1. Muda

Muda se refere às inconsistências e desperdícios encontrados no processo de produção. Caracteriza-se pelo uso de recursos que não geram retornos para a organização. Em outras palavras, atividades que são realizadas sem agregar valor ao cliente final. Há dois tipos de desperdícios representados pelo termo Muda, sendo eles: 

Muda TIPO 1

Refere-se às atividades que não agregam valor, mas que não podem ser eliminadas em curto prazo. Um exemplo de Muda tipo 1 é a inspeção, processo essencial para a garantia do controle de qualidade do produto, mas que pode ser automatizada em médio e longo prazo. A simples melhoria dos processos pode tornar desnecessária a inspeção. 

Muda TIPO 2

Esse tipo de Muda diz respeito a atividades que não agregam valor e que podem ser eliminadas em curto prazo. Trata-se de um tipo de desperdício encontrado com mais facilidade e em boa parte dos casos não se sabe a dimensão dos impactos que ele causa para a companhia. Dentre os exemplos desse tipo de desperdício estão retrabalhos, movimentações desnecessárias e estoques intermediários. 

2. Mura

Esse M diz respeito à irregularidade de processos que não são causados pelo cliente final, mas sim pela produção. Trata-se de uma situação que pode ser encontrada em toda a cadeia produtiva. Pode estar relacionada desde os colaboradores até os processos logísticos. 

Um exemplo disso é quando os colaboradores de um turno ficam sobrecarregados e os de outro quase não têm nada para fazer. É uma inconsistência que pode se manifestar pela desproporção na distribuição de atividades ou por um mesmo recurso ter níveis de trabalhos de diferentes intensidades. Essa variabilidade precisa ser reduzida ou mitigada para preservar os resultados. 

Uma forma de evitar o Mura é aplicar o conceito Just in Time, priorizando a produção de acordo com a demanda dos clientes. Ter um método rígido de planejamento e controle de produção permite reduzir essa variabilidade. Ferramentas como o Heijunka e o Kanban contribuem para a nivelação da produção e padronização dos processos

3. Muri

Esse M se refere à situação de qualquer elemento constituinte da cadeia produtiva, como colaboradores, processos, equipamentos, entre outros. Exigir que as atividades e projetos sejam feitos rapidamente e com qualidade máxima pode sair da esfera saudável para os profissionais. Há grandes chances de gerar impactos negativos. 

A sobrecarga do sistema gera impactos gradativos como, por exemplo, o aumento de falhas e problemas técnicos. A qualidade das atividades também pode ser comprometida, assim como pode levar à geração de problemas de saúde. Em geral, situações Muri são consequência de desperdícios e irregularidades no sistema, isto é, Muda e Mura. Logo, podemos entender que Muda, Mura e Muri estão interligados. 

Identificação e eliminação dos 3 M’s: por que é importante?

Os 3 M’s são indesejáveis em qualquer organização e precisam ser eliminados com o máximo de dedicação. Para entender a relevância de resolver essas inconsistências, imagine que os 3 M’s são três vírus.

Esses vírus invadem e atacam combinados o corpo de uma pessoa, eles se expandem, deixando o organismo do indivíduo cada vez mais fraco. A ação deles pode gerar sintomas inesperados e até mesmo levar à morte. Em uma empresa, os 3 M’s também são como vírus que se expandem e podem levá-la à falência. 

Esses 3 M’s podem ser encontrados em todo e qualquer tipo de empresa, independentemente do tamanho ou segmento. Essas inconsistências podem ser encontradas desde o chão de fábrica até a alta administração.

A cultura organizacional, nesse caso, é o equivalente à imunidade. Ter imunidade elevada pode ajudar a se recuperar com mais facilidade da ação dos vírus. Trabalhar com um sistema devidamente organizado contribui para eliminar as inconsistências. 

Como lidar com os 3 M’s (Muda, Mura e Muri)?

Para conseguir empreender uma ação significativa para a identificação e mitigação dos elementos estagnadores, é essencial contar com o engajamento dos colaboradores. A dedicação deve ser particularmente da alta gerência no sentido de resolver as pendências. 

A primeira ação a ser tomada é realizar o mapeamento de todos os departamentos, considerando os processos e equipes. Todas as responsabilidades, materiais e equipamentos devem ser levados em consideração nesse processo. Na sequência é importante buscar identificar os gargalos e inconsistências que podem levar a falhas e desperdícios. 

É um bom momento para aproveitar seu conhecimento em Muda, Mura e Muri para entender esses elementos e processos. A seguir explicaremos como lidar com cada um dos M’s em uma empresa. 

Muda

Filme o processo para analisá-lo sistemicamente. Em seguida, estratifique a atividade em operações menores. Essas operações menores devem ser divididas em: NVAA (atividades que não agregam valor) e VAA (atividades que agregam valor). Desenvolva alternativas de melhoria para as NVAA. Implemente a padronização que deverá ser difundida para outras áreas. 

Mura

Identifique quais são as operações mais críticas e faça 15 cronometragens por turno. Investigue a variação de tempo por ciclo, tanto da operação quanto do operador. A operação crítica deverá ser analisada sistematicamente.

Compare com os diferentes ciclos dos operadores. Faça a proposição de melhorias para que colaboradores diferentes possam realizar a operação ao mesmo tempo. Implemente a padronização. 

Muri

Geralmente, ao ter seguido os passos anteriores, os problemas tipo Muri já estarão resolvidos. Porém, se houver um colaborador sobrecarregado com excesso de atividades é possível aplicar os passos mencionados na Muda. Busque soluções que reduzam essa sobrecarga nas atividades. Os líderes devem buscar conhecimentos a respeito de melhorias ergonômicas. 

Agora que você conhece os 3 M’s pode implementar mudanças significativas na sua empresa!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63

This will close in 0 seconds