Gestão de conhecimento – Valioso recurso para sua empresa

Reunião empresarial

As empresas têm investido cada vez mais em gestão do conhecimento, ou seja, investem em funcionários que se destacam.

Com a evolução da cultura empresarial, percebe-se que cada vez mais é investido em gestão do conhecimento. Ao longo do tempo, as empresas perceberam que não eram apenas as máquinas de última geração e o investimento em tecnologia que estavam gerando lucro. O conhecimento e a valorização dos colaboradores também fazem parte do processo para alcançar o sucesso.

Uma recente pesquisa realizada pela empresa britânica de consultoria e auditoria empresarial Deloitte indica que as empresas pretendem investir 2,4% do seu lucro em benefícios para os colaboradores. Transformando a gestão de conhecimento em um valioso recurso estratégico para a vida das pessoas e da empresa.

Valorizar criatividade, conhecimento e competência são fatores positivos e um grande diferencial competitivo. Gerar oportunidades para os profissionais que integram a empresa significa ainda melhorar os resultados e aumentar o crescimento da mesma.

As organizações têm reconhecido que é necessário investir nesse tipo de gestão para manter os colaboradores competitivos no mercado e melhorar o seu desempenho. Mas, para implantar essa gestão de conhecimento é preciso garantir uma boa comunicação interna, explicando a importância de cada um no contexto da empresa.

A gestão de conhecimento deve fazer parte da cultura da organização para que os colaboradores entendam a necessidade e a importância desse investimento. Compartilhar suas experiências para que cheguem ao conhecimento de todos é uma forma de agregar valor ao colaborador e a empresa. Continue lendo para saber mais sobre o tema. 

O que é gestão de conhecimento?

A gestão de conhecimento consiste em um conjunto de práticas adotadas pelas companhias para criar, gerir e transferir conhecimentos. Do inglês Knowledge Management, tem como foco o compartilhamento de experiências e informações entre os membros da equipe. O conhecimento deixa de ser propriedade de poucos para se tornar acessível a todos.

Trata-se de um processo essencial para manter a atualização dos colaboradores, de maneira que possam se desenvolver. Contribui para manter o nivelamento entre todos os membros da equipe no tocante ao conhecimento. Isso permite reduzir o risco de haja concentração de conhecimento. 

Assim, se um determinado colaborador deixar a equipe, isso não necessariamente significará a perda de ritmo produtivo. Com o conhecimento compartilhado haverá alguém que poderá realizar essas atividades enquanto outro profissional será contratado. 

Exemplo

Para que fique mais claro daremos um exemplo prático, imagine uma empresa que possui uma equipe de marketing robusta. O líder dessa equipe precisou viajar para um evento a respeito de novas tendências da área. Ao retornar da viagem, o gestor não compartilha o que aprendeu com seus colaboradores. O setor de marketing, que é robusto, fica sem saber dessa experiência e das novas tendências. 

Caso a companhia em questão incentivasse o compartilhamento de conhecimento, o líder dividiria sua experiência com os colegas. Assim, todos ficariam a par dos aprendizados obtidos nas oficinas, workshops e apresentações. O conhecimento se tornaria mais um ativo da organização. 

Investir na capacitação constante dos colaboradores não é o bastante, é essencial que haja o incentivo do compartilhamento dessas informações. Sem acesso ao conhecimento, dificilmente os demais colaboradores apresentarão crescimento dentro da empresa.

Dessa forma, fica evidente que a gestão de conhecimento não é apenas um diferencial e sim uma obrigatoriedade. É essencial para manter a competitividade dentro das organizações. 

Os dois tipos de conhecimento 

Uma das dificuldades atualmente é aplicar a gestão de conhecimento de forma alinhada aos negócios. É importante se preocupar com o objetivo final e ter uma estratégia para isso. Veja dois tipos de conhecimento que pode ser aplicada pelo ser humano:

Conhecimento explícito

É facilmente adquirido por meio da leitura de artigos e livros. É o que pode ser articulado com uma linguagem formal. Quando falamos em funcionalidade do sistema ou de uma etapa de um processo produtivo, tratamos do conhecimento explícito.

Conhecimento tácito

É o conhecimento pessoal adquirido com a prática. Só conseguimos mostrá-lo usando, pois é difícil ser articulado na linguagem formal. 

Esses dois tipos de conhecimento, aplicados e compartilhados na empresa, contribuem para a geração de valor e a melhora do atendimento ao cliente. Uma vez disseminado, o conhecimento pode ser retido por outros colaboradores gerando resultados positivos.

Como fazer gestão de conhecimento?

Agora que já conceituamos os dois tipos de conhecimento daremos dicas de como fazer a gestão desse ativo. 

1. Identificação dos conhecimentos da empresa

Para iniciar o processo de implementação da gestão de conhecimento é fundamental identificar os conhecimentos tácitos da companhia. Trata-se basicamente de identificar o que é indispensável para que os colaboradores conheçam e se tornem um ativo no contexto corporativo. 

2. Socialização dos conhecimentos tácitos

O passo seguinte consiste na socialização ou construção de conhecimento de forma colaborativa. Trata-se da junção e compartilhamento do conhecimento tácito de vários indivíduos. A ideia central é amplificar e aperfeiçoar as informações através de mentorias, brainstorming, parcerias, entre outros. 

3. Externalização: junção do conhecimento tácito com o  conhecimento explícito

A socialização do conhecimento deve ser registrado e formalizado na forma de documentos. Podem ser usados recursos gráficos e base de artigos. Isso permite que haja a conversão do conhecimento tácito em conhecimento explícito, o que se chama de externalização. O novo conhecimento é então adicionado ao que já existia na companhia. 

4. Internalização e incorporação do conhecimento a rotina

O conhecimento explícito se torna parte integrante do funcionamento das atividades dos colaboradores, levando à internalização. Nesse momento, o conhecimento volta a ser tácito, fazendo-se presente de forma inerente ao trabalho, tornando parte da rotina. Esse ciclo gera o que se chama de Espiral do Conhecimento. 

Espiral do conhecimento

Refere-se à dinâmica do conhecimento em movimentação contínua que segue uma tendência de ser ampliado. No entanto, para que isso aconteça é essencial que haja a modificação da cultura organizacional para estimular o interesse dos membros da equipe. 

É essencial que se tenha atenção aos métodos de ensino que precisam ser desenvolvidos conforme o perfil das pessoas que serão treinadas. O conhecimento pode ser transmitido de diferentes formas, a escolha do método deve levar em consideração como irá impactar mais significativamente as pessoas. 

O IBC – Instituto Brasileiro de Coaching oferece as melhores soluções corporativas para potencializar empresas. Entre em contato para saber mais.

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63