Conheça 2 tipos de advertência para funcionário e se é válido aplicá-las

tipos de advertência para funcionários

Aplicação de advertência para colaboradores

A empresa, no intuito de manter a disciplina no ambiente de trabalho, pode tomar algumas medidas em seus processos e em seus colaboradores. A advertência trabalhista é uma delas e tem como objetivo, avisar determinado profissional a respeito de alguma conduta que não condiz com as  diretrizes da empresa.

Ou seja, através da advertência, a organização expõe uma crítica e objeção quanto ao trabalho ou comportamento do colaborador e pode servir como embasamento para uma futura demissão por justa causa.

Advertência verbal

Em um primeiro momento, a empresa deve aplicar a advertência verbal. É importante frisar que a mesma não deve expor o profissional à situações constrangedoras, pois pode acabar enfrentando um processo por danos morais.

Portanto, a advertência pode ser aplicada na presença de outro gestor, mas nunca com colaboradores na mesma posição hierárquica. É papel da organização, ao realizar a advertência, explicar o motivo da mesma, qual é o comportamento mais adequado e oferecer ajuda ao profissional.

Advertência por escrito

Uma vez advertido de forma verbal e o colaborador não melhorou sua conduta, chegou a hora da empresa aplicar a advertência por escrito. A mesma deve ser feita em duas vias, datadas e assinadas (uma fica com a empresa e a outra com o profissional).

Deve conter em tal documento, de forma detalhada e com provas, o motivo da advertência. Outro fator importante, é a assinatura (além da organização e do colaborador) de pelo menos duas testemunhas para validar os fatos.

Motivos para um colaborador receber advertências

Conheça a seguir, alguns motivos pelos quais a empresa pode advertir um colaborador:

  • Prática de roubo;
  • Marcação de cartão de ponto de terceiros;
  • Apresentação de atestados médicos falsos;
  • Atos libidinosos;
  • Usar veículo da empresa fora do horário de trabalho;
  • Uso de roupas impróprias;
  • Realização de negociações sem autorização;
  • Repetição de faltas sem justificativa;
  • Revelação de informações e documentos confidenciais;
  • Fofocas constantes;
  • Agressão física ou verbal.

O objetivo da advertência não é o de punir o colaborador, mas sim, o de educa-lo e evidenciar o comportamento desejado dentro da empresa. Nesse sentido, o profissional deve estar ciente das normas da organização e conversar constantemente com o seu gestor, a fim de saber qual conduta ele espera dos profissionais.

Ao fazer isso, o colaborador é capaz de alinhar suas ações de acordo com tais diretrizes e contribuir com a construção de um ambiente de trabalho saudável e harmonioso, além garantir sua permanência no emprego.

Agora caso ele receba uma advertência, o próximo passo é refletir sobre como isso foi acontecer, buscar interpretar seu comportamento e se algo específico levou a tal situação, como por exemplo problemas pessoais ou insatisfação com o trabalho.

Após tal reflexão, o profissional deve conversar com seu gestor, em busca de diretrizes para que o problema seja corrigido e não ocorra novamente, garantindo assim, que uma demissão não aconteça.

E no seu emprego, você já levou alguma advertência? De que forma você conduziu tal situação? Comente e compartilhe o conteúdo nas redes sociais.

Copyright: Brian A Jackson 

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010