Ser Bom não é ser Bonzinho

É fato que hoje o maior capital que uma organização pode ter são as pessoas que fazem com que ela cresça gradativamente.

O capital intelectual tem sido muito comentando nesse mundo tão competitivo e tecnológico e, aqueles que tiverem esse talento, mais rápido alcançarão os melhores cargos em grandes corporações. Nesse meio, alguns profissionais acham que para conseguir algum destaque dentro de uma empresa, é preciso bajular, puxar saco de superiores, ser fofoqueiro etc.

Às vezes, o excesso de bondade não leva o profissional a lugar nenhum. Ainda é muito comum os profissionais que não sabem dizer ‘NÃO’ para os colegas de trabalho e sempre fazem tudo para todos. É o famoso ‘bonzinho’ que não nega nada para ninguém.

Manter a imagem de funcionário bonzinho exige chegar sempre na hora certa no trabalho, nunca falta, sempre está prolongando sua jornada de trabalho, mas a verdade é que essa imagem não é garantia de sucesso pra ninguém. O profissional ‘bonzinho’ nunca diz nada, não reclama de nada e sempre ajuda todo mundo. Ser um bom profissional é ter um produto pra vender: Ele mesmo.

Em geral o profissional ‘bonzinho’:

- É ouvinte e não dá palpites;

- Sempre concorda com tudo;

- Para não causar discórdia nunca desafia ninguém;

- Não gosta de aparecer.

O funcionário bonzinho é sempre um bom colega que todos querem ter por perto, já que é muito simpático, não faz intriga, nem puxa o tapete de ninguém. Porém tudo isso, faz com que este profissional fique na inércia.

Para sair dessa situação não é preciso ser uma pessoa ruim nem agressiva com os outros, porém, precisa ter uma postura diferente. Precisa saber negar quando preciso, ter um pouco de coragem e discordar quando algo vai contra o que você pensa. Conheça outras pessoas, faça cursos, agregue mais valor ao seu currículo e aumente o seu capital intelectual, isso vai fazer com que a empresa olhe pra você de uma maneira diferente.

Seguir a vida de casa pro trabalho e do trabalho pra casa, faz com que as pessoas percam a noção do mundo e em um mundo globalizado e tecnológico são muitas as oportunidades, mas aqueles que têm uma visão mais futurística, acabam saindo na frente.

Observe o seu potencial, procure analisar se em seu ambiente de trabalho você não está apagado por fata de capital intelectual e conhecimentos, ou mesmo por colegas mais espertos que acabam se beneficiando de sua bondade. Saiba dizer não, com jeito e educação, mas com firmeza.
Se você é bom, então só precisa deixar de bonzinho.

Compartilhe esse post

Sobre o autor

Autor

José Roberto Marques

José Roberto Marques é presidente do IBC, Master Coach Senior e Trainer. Um dos pioneiros em Coaching no Brasil, com mais de 25 anos de experiência em treinamento e desenvolvimento humano. Fundador e também presidente da Editora IBC, possui diversas obras publicadas. É professor convidado da Universidade de Ohio. Como Coach atende CEO’s e líderes de grandes organizações.

Deixe seu comentário

Seja um Coach!

Concordo com a Politica de Privacidade Ao concordar com a politica e privacidade você aceita receber e-mails do IBC com conteúdos gratuitos de Coaching, informativos de palestras e cursos do IBC

Redes sociais