Entenda o que é estresse e como afeta a sua saúde?

Homem estressado

Entenda como o estresse pode afetar a sua saúde física e emocional.

O estresse nada mais é do que uma resposta física dada pelo nosso organismo a um estímulo. Quando nosso corpo se sente sob ataque, entra em um modo de “lutar ou se defender”, que se caracteriza pela liberação de uma combinação complexa de hormônios e substâncias químicas. Nessa mistura estão cortisol, adrenalina e norepinefrina que são importantes na preparação do corpo para uma ação física.

Se o estado de estresse se mantém por longos períodos, pode se tornar prejudicial à saúde. Ter níveis elevados de cortisol pode levar ao aumento dos níveis de açúcar no sangue e pressão arterial, além de reduzir a libido.

É importante esclarecer que o estresse pode ser positivo em algumas situações. Ele pode funcionar como estímulo para ter um melhor desempenho em uma entrevista de emprego, por exemplo.

No entanto, há muitos casos em que o estresse se mostra uma força negativa como, por exemplo, em um trânsito parado. Nos casos em que a exposição a ele se dá por períodos prolongados, é possível que se torne crônico.

Tomar uma atitude é essencial para evitar que esse estado domine a sua vida. Continue lendo para entender como o estresse pode afetar a sua saúde física e emocional. 

O que é o estresse? 

Quando ouvimos a palavra estresse, é intuitivo pensar em algo ruim, não é mesmo? Porém, não se trata de algo necessariamente negativo, como mencionamos anteriormente. 

Vamos voltar no tempo e pensar em nossos ancestrais, eles usavam os primeiros sinais de estresse como alerta para o perigo de ser atacado por animais, por exemplo. Se o corpo humano não tivesse esse recurso, não teríamos evoluído e resistido como espécie.

De forma resumida, o estresse consiste em uma resposta física do organismo humano a um estímulo. Essa nomenclatura foi extraída da Física, aqueles que já estudaram resistência dos materiais conhecem o conceito. Tensão é um sinônimo de estresse e diz respeito à quantidade de força aplicada a uma determinada área. 

Quando uma pessoa é submetida a atividades estressantes, como realizar um trabalho complicado ou mudar de cidade, por exemplo, tem a reação do estresse em seu corpo. Essa reação consiste na liberação de uma mistura complexa de hormônios e substâncias químicas, como cortisol, adrenalina e norepinefrina (conhecida também como noradrenalina). 

A liberação dessa mistura acontece para deixar o corpo pronto para reagir fisicamente, caso seja necessário. No caso de precisar fugir, o indivíduo contará com o auxílio desses hormônios para desviar o sangue para os seus músculos. Logo, o estresse não é algo essencialmente ruim e nem anormal.

O problema se dá quando o corpo tem essa reação em situações inadequadas e por um período prolongado. Ter elevados níveis de cortisol no sangue leva ao aumento dos níveis de açúcar, pressão sanguínea e diminuição da libido. 

O estresse é uma reação natural do organismo

Alguma vez, quando precisou fazer um discurso em público ou saiu pela primeira vez com alguém, sentiu suas mãos suadas e seu coração acelerado? Provavelmente, sua resposta foi sim e isso aconteceu em várias outras situações, como uma entrevista de emprego ou no dia do vestibular.

Basicamente, essa sensação de nervosismo caracteriza o que é sentir o estresse no seu corpo e mente. Curiosamente, esse recurso foi desenvolvido pelo organismo dos nossos ancestrais. Naquele contexto funcionava como uma forma de proteção contra predadores e outras ameaças do ambiente.

Quando se vê em perigo, o corpo entra em ação, desencadeando na corrente sanguínea uma verdadeira inundação de hormônios que aceleram a frequência cardíaca. A pressão arterial e a energia aumentam, preparando o indivíduo para lidar com eventuais problemas. 

Claro que, atualmente, as ameaças não são as mesmas que assombravam nossos ancestrais. Não nos deparamos com um predador ao abrir a porta de casa, porém, nos vemos diante de diversos desafios cotidianamente.

Entregar projetos profissionais dentro dos prazos, pagar as contas em dia, conciliar a vida pessoal e profissional, entre outros fatores, geram estresse. Podemos dizer que esses são os “predadores” modernos. 

A presença desses fatores desencadeantes de estresse em nossa vida pode fazer com que o alarme permaneça ligado constantemente. Isso significa que mantemos pressionado o botão de ataque ou defesa. Permanecer nesse estado de atenção pode ser prejudicial para a saúde física e emocional. 

Tipos de estresse

Há diferentes tipos de estresse, explicaremos mais sobre eles abaixo. 

Estresse agudo

Trata-se da forma mais comum e se caracteriza por ser a reação do organismo diante de um desafio. Pode ser a resposta a uma notícia inesperada como, por exemplo, a chegada de um filho.

Receber uma notícia ruim ou cometer um equívoco no trabalho também podem ser fatores desencadeantes. Normalmente, são episódios isolados que não se prolongam no organismo. 

Quando o estresse é resultante de um evento muito traumático, como ser vítima de um crime ou acidente grave, pode-se desenvolver o quadro psiquiátrico de transtorno de estresse pós-traumático. De maneira geral, o estresse agudo é considerado positivo, pois ajuda nosso corpo a se preparar para reagir em uma situação estressante semelhante. 

Estresse agudo episódico

Esse quadro se caracteriza por episódios recorrentes de estresse agudo. Quase todo mundo conhece alguém que parece ter crises nervosas diariamente. Essa pessoa submete seu organismo ao estresse agudo episódico. As pessoas que sofrem com esse problema costumam ser muito pessimistas. Sabe aquele colega que sempre pensa que será o próximo a ser demitido, mesmo sem nenhuma evidência disso? 

Há pessoas que experimentam os sintomas do estresse agudo mais frequentemente do que outras. Normalmente, são focadas em organização, mas falham quando o assunto é desempenho. A irritação é uma condição comum para elas, seja em relação a si mesmas ou ao ambiente em seu entorno. São pessoas que consideram seu ambiente de trabalho demasiadamente estressante. 

Ter preocupação em excesso é bastante prejudicial, pois potencializa o pessimismo sobre situações cotidianas. Isso faz com que a pessoa projete algo negativo até na mais simples das tarefas.

Esses indivíduos vivem nervosos e tensos sem uma razão verdadeira para tal. Esse estado é bastante prejudicial para a saúde, especialmente quando passa a ser encarado como parte da vida normal. Muitas pessoas “somatizam”, desenvolvendo quadros de úlcera, gastrite, entre outras enfermidades. 

Estresse crônico

O estresse crônico é aquele persistente que se mantém por longos períodos de tempo. Sabe aquele estresse que nunca desaparece? Esse quadro costuma ser decorrente de experiências traumáticas, particularmente aquelas que acontecem na primeira infância. Experiências internalizadas se tornam demasiadamente dolorosas e difíceis de lidar.

Tais experiências podem afetar consideravelmente a personalidade e a forma como a pessoa enxerga a vida. Assim como acontece com o estresse agudo episódico, no crônico as pessoas acabam se acostumando com o problema. Após algum tempo, se pode ter a impressão de que ele é parte de quem as pessoas são. 

Entenda como o estresse afeta a sua saúde

Um episódio de estresse de curta duração pode ser o bastante para ter um impacto negativo na saúde de uma pessoa. Ter que falar em público, por exemplo, pode desencadear uma sensação de queimação no estômago. Brigar com o cônjuge ou sofrer um acidente de carro pode gerar um efeito físico ainda mais significativo. 

Já foram realizados inúmeros estudos que demonstraram que tensões emocionais repentinas, especialmente a raiva, podem levar a ataques cardíacos. Essa situação estressante pode desencadear arritmias e até morte súbita.

Apesar de episódios assim acontecerem com pessoas que já têm histórico de doença cardíaca, é importante dizer que muitos desconhecem que têm esse problema. Há muitos casos de pessoas que descobriram que tinham problemas cardíacos em decorrência do estresse agudo.

O estresse adquire um perfil ainda mais perigoso quando passa a impedir que o indivíduo tenha uma vida normal por um período prolongado. Quanto mais o estresse perdura no organismo, mais ele prejudica a saúde física e mental. A pessoa constantemente estressada tende a se sentir cansada, com dificuldade de concentração e irritável sem um motivo aparente. 

O estresse crônico pode agravar consideravelmente problemas pré-existentes. Além disso, muitas pessoas adotam hábitos ruins para a sua saúde para lidar com o estresse, como o consumo de álcool e tabagismo.

Estudos já comprovaram, por exemplo, que trabalhar em um ambiente estressante potencializa o risco de ter doença coronariana. Também são fatores potencializadores de doenças cardiovasculares outras formas de estresse crônico, como pouco apoio social e depressão. 

O estresse prolongado compromete também a imunidade, de maneira que a pessoa passa a ter mais problemas de saúde como infecções, por exemplo. Trata-se de um círculo vicioso em que o estresse alimenta os problemas de saúde e os problemas de saúde também aumentam o estresse. 

Sinais de que o estresse está ligado ao trabalho

O mercado de trabalho mudou consideravelmente nos últimos anos. Com o aumento do desemprego, decorrente da crise da pandemia de coronavírus, se criou um cenário caótico.

Quem se empregou ou se manteve no emprego entende que precisa manter essa condição a todo custo. Dessa forma, está cada vez mais comum ver profissionais realizando tarefas que seriam de três ou quatro pessoas antes da crise.

O estresse em uma situação dessas é enorme, gerando ansiedade e pressão para permanecer empregado. Afinal, perder o emprego significa engrossar as estatísticas de quem está há muito tempo em busca de uma oportunidade sem sucesso.

O excesso de trabalho e o medo do futuro podem levar a agravos significativos para a saúde do indivíduo. Confira a seguir sinais de que o estresse tem relação com seu trabalho.

Sinais cognitivos do estresse ligado ao trabalho

Os sinais cognitivos do estresse decorrente do trabalho são os seguintes: 

– Esquecimento de tarefas que precisavam ser realizadas;

– Dificuldade de manter a concentração; 

– Percepção de problemas de memória; 

– Pensamento acelerado (você não consegue manter sua mente no que está fazendo no presente); 

– Agitação;

– Preocupação exagerada e permanente;

– Pessimismo, a visão distorcida de que tudo está dando errado. 

Sinais físicos

Confira os sinais físicos do estresse decorrente do trabalho:

– Dor de cabeça constante com propensão a enxaquecas;

– Dores musculares;

– Tensão no ombro e nuca; 

– Queimação no estômago;

– Mudanças no sistema gastrointestinal, constipação ou diarreia; 

– Tontura;

– Náuseas;

– Dores no peito;

– Arritmia (batimento cardíaco acelerado); 

– Baixa imunidade (a pessoa fica resfriada com frequência).

Sinais emocionais

Conheça os sinais emocionais do estresse relacionado ao trabalho:

– Sensação de estar sempre cansado;

– Oscilação de humor, o mau humor é o mais frequente;

– Irritabilidade, a pessoa fica nervosa sem nenhuma razão e com qualquer um;

– Sensação de estar sobrecarregado;

– Incapacidade de relaxar;

– Isolamento social;

– Vontade de chorar constante;

– Infelicidade;

Depressão.

O que posso fazer para melhorar a situação?

Diminuir o estresse, além de ser positivo no presente, contribui para melhorar sua saúde em médio e longo prazo. Para se ter uma ideia, um estudo já observou a relação de sentimentos positivos, como felicidade e entusiasmo, com a prevenção de doenças cardíacas. Os cientistas descobriram que o aumento de um sentimento positivo era capaz de reduzir a taxa de doenças cardíacas em 22%. 

É importante dizer que esse estudo não comprovou que os sentimentos positivos previnem doenças cardíacas, porém, são altamente recomendados. A redução do estresse é decisiva para ter melhor qualidade de vida. Inclusive, as pessoas tendem a se preocupar mais com sua alimentação e atividades físicas quando estão contentes e sem estresse.

Para reduzir a presença do estresse em sua vida é essencial identificar a causa do problema. O que está te deixando estressado? Se tem dúvidas, comece a anotar os seus pensamentos e como eles afetam seu bem-estar. Assim você terá uma ideia mais clara do que está te gerando dificuldades, de maneira a pensar em como resolver. 

Para enfrentar o estresse é essencial saber que não se está sozinho e, para isso, é determinante construir relações mais profundas. Quando se tem relações melhores é mais fácil evitar situações hostis. Brigas e conflitos estão no cerne do estresse que nos acompanha diariamente.

Quando sentir raiva, se afaste das pessoas e procure recuperar o seu equilíbrio emocional. Somente então retorne e tente recomeçar a conversa. Caso perceba que está difícil administrar o estresse sozinho, procure ajuda para resolver a questão. Acompanhamento psicológico pode ser de grande ajuda na sua evolução como pessoa.

O estresse precisa ser encarado com seriedade para que possa ser solucionado!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63