Quais são as diferenças entre Ansiedade e Depressão?

Homem com mão na cabeça e sentado na cama

Confira as principais diferenças entre ansiedade e depressão.

Transtornos como ansiedade e depressão têm se tornado cada vez mais recorrentes no mundo. Embora ambos caminhem lado a lado, é importante compreender que guardam diferenças entre si. Esses transtornos têm sintomas, causas e tratamentos distintos. 

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 300 milhões de pessoas são afetadas pela depressão em todo o planeta. No Brasil, há em torno de 11 milhões de indivíduos diagnosticados com depressão. No entanto, a depressão não é o único transtorno mental que acomete os brasileiros.

Em 2017, 18,6 milhões de brasileiros foram identificados com o transtorno. Isso equivale a quase 10% da população do país. Sendo esses dois transtornos tão presentes na sociedade brasileira, é fundamental saber diferenciá-los. Há situações em que podem ser confundidos ou até coexistir, mas é essencial fazer a distinção para seguir com o tratamento correto.

No artigo a seguir iremos apresentar as principais diferenças entre os dois transtornos, de forma a facilitar a distinção. Lembrando que é fundamental contar com acompanhamento de um profissional da área de saúde mental. Apenas um especialista pode fazer o diagnóstico e o devido acompanhamento. 

O que é depressão?

Apesar de carregar a alcunha de “mal do século”, a depressão não é uma doença do mundo contemporâneo. Esse transtorno acompanha o ser humano ao longo de toda a sua história.

Vale ressaltar que há fatores genéticos que podem aumentar a predisposição à doença. Pelo fato de não haver evidências físicas ou exames que auxiliem no diagnóstico, é difícil para algumas pessoas nomear o transtorno como doença.

Contudo, a depressão pode apresentar manifestações físicas, como alterações químicas no cérebro. Ainda que não possam ser visualizadas, essas alterações estão presentes no indivíduo causando consequências.

Aspectos externos também podem estar relacionados ao despertar da doença por meio de estímulos. O estresse, por exemplo, pode desencadear alguns sintomas depressivos numa pessoa com predisposição.

Possíveis causas da depressão

Dentre as possíveis causas da depressão podemos citar:

  • Desequilíbrios metabólicos ou hormonais;
  • Falta de carinho;
  • Falta de empatia;
  • Ambientes extremamente competitivos;
  • Enfrentar traumas como a perda de alguém muito querido;
  • Perda de emprego;
  • Descoberta de doenças graves.

A depressão é o resultado de uma interação complexa de fatores biológicos, psicológicos e sociais. É mais ou menos como uma teia em que, ao mexer em um fio, se mexe em todo o sistema. Sendo um transtorno que envolve tantas variáveis é fundamental que seja acompanhado por um profissional da área de saúde mental. 

Sintomas da depressão

A seguir listamos os sintomas mais comuns da depressão:

  • Pensamentos pessimistas frequentes;
  • Sentimento de culpa constante;
  • Sensação de que se é inútil;
  • Profunda tristeza;
  • Baixa autoestima;
  • Perda do entusiasmo e prazer de realizar atividades que antes eram motivo de alegria.

É importante ressaltar que a depressão não consiste apenas em uma tristeza mais profunda que pode ser simplesmente “desligada”. Pensamentos e atitudes positivas não têm a capacidade de neutralizar o problema.

A diferença entre tristeza e depressão é o fato de que a primeira é passageira. O transtorno depressivo é duradouro, quando a tristeza dura mais de duas semanas é importante ligar o sinal de alerta. Para uma pessoa que sofre com essa doença pode ser bastante difícil e incômodo. 

O que é ansiedade?

Sabe aquela sensação de frio na barriga quando se está esperando para fazer uma entrevista de emprego? Ou quando você finalmente consegue um encontro com aquela pessoa que te atrai? Essa sensação é o que se chama de ansiedade. Todo mundo sente ansiedade em algum momento da vida e geralmente não tem nada de prejudicial nisso. 

No entanto, a ansiedade pode se tornar uma doença quando passa a ocorrer com frequência ou se torna muito intensa. Ansiedade excessiva pode prejudicar tanto a saúde física quanto a saúde mental. Quando ela passa a se manifestar em momentos em que esse sentimento não é condizente e em alta intensidade passa a ser classificada como transtorno de saúde mental. 

Sintomas da ansiedade

Confira abaixo os principais sintomas do transtorno de ansiedade:

  • Tensão, medo ou preocupação demasiados, o indivíduo perde a capacidade de relaxar;
  • Sensação contínua de que algo ruim acontecerá;
  • Medo injustificado de objetos ou situações;
  • Medo demasiado de humilhações públicas;
  • Descontrole sobre pensamentos ou ações;
  • Sensação de pavor após uma situação difícil. 

Indivíduos acometidos pelo transtorno de ansiedade têm grande dificuldade de realizar atividades específicas como, por exemplo, falar em público. Quando se veem diante da simples perspectiva de ter que realizar essas ações, esses indivíduos sentem seus corações dispararem, tremem e respiram com dificuldade. 

Em alguns casos, a ansiedade é tão intensa que impede a pessoa de realizar atividades cotidianas simples. É um transtorno que pode prejudicar consideravelmente a vida do indivíduo. 

Ansiedade e Depressão: quais são as diferenças?

É relativamente comum que uma pessoa que sofre de depressão seja ansiosa e vice-versa. Exatamente por isso, pode ser difícil fazer o diagnóstico e diferenciar uma doença da outra.

Torna-se essencial considerar o histórico familiar, as experiências de vida do indivíduo e o ambiente em que vive. Todos os fatores envolvidos devem ser analisados para que seja possível entender as causas e, assim, quais são os problemas de cada paciente. 

O médico deve analisar todos esses fatores para então encontrar o tratamento mais adequado. Geralmente, a indicação é psicoterapia em conjunto com o uso de medicamentos. Contudo, os pacientes diagnosticados com depressão tem maior propensão a precisar de uso de medicamentos do que os ansiosos. A terapia é eficiente na ajuda do tratamento da depressão, mas não tem a capacidade de prevenir novos episódios ou curar o transtorno. 

Ambas as condições demandam acompanhamento médico em longo prazo e atenção por parte dos pacientes. Somente um especialista poderá diagnosticar esses transtornos e aconselhar o melhor tratamento a ser realizado. O apoio dos amigos e familiares tem grande importância para que as pessoas acometidas por esses transtornos se dediquem a buscar por tratamento. 

Agora você já sabe qual é a diferença entre ansiedade e depressão! Aproveite para comentar o assunto abaixo e compartilhar o conteúdo para levar o conhecimento adiante!

José Roberto Marques

Sobre o autor: José Roberto Marques é referência em Desenvolvimento Humano. Dedicou mais de 30 anos a fim de um propósito, o de fazer com que o ser humano seja capaz de atingir o seu Potencial Infinito! Para isso ele fundou o IBC, Instituto que é reconhecido internacionalmente. Professor convidado pela Universidade de Ohio e Palestrante da Brazil Conference, na Universidade de Harvard, JRM é responsável pela formação de mais de 50 mil Coaches através do PSC - Professional And Self Coaching, cujo os métodos são comprovados cientificamente através de estudo publicado pela UERJ . Além disso, é autor de mais de 50 livros publicados.



*Esse conteúdo não é fonte para veículos jornalísticos ou matérias para imprensa, para utilização ou referência por favor entre em contato conosco.

Deixe seu Comentário

IBC - Instituto Brasileiro de Coaching: Av. Prof. Venerando Freitas Borges, 561 - Setor Jaó - Goiânia/ GO - CEP: 74.673-010
CNPJ: 31.328.744/0001-63

This will close in 0 seconds